Lisboa fecha no vermelho. Foi a pior semana desde outubro

A bolsa nacional recuou pela segunda sessão consecutiva, com o BCP a pressionar, enquanto a EDP travou a descida. Foi a pior semana desde meados de outubro para a praça lisboeta.

Lisboa encerrou a semana em queda. Voltou a perder valor, registando a pior semana desde meados de outubro. O índice nacional acompanhou a generalidade das congéneres europeias, pressionado por desvalorizações expressivas em alguns nomes de peso na bolsa portuguesa, como o BCP.

Enquanto o Stoxx 600 caiu 0,1%, o português PSI-20 recuou 0,53%, para 4.649,97 pontos. Apenas cinco das 18 cotadas escaparam à maré vermelha que fechou uma semana em que a bolsa de Lisboa desvalorizou 3,19%, a maior queda desde a semana de 12 de outubro.

Num cenário em que os investidores temem a possível paralisação do Governo dos EUA, e perante receios de abrandamento da economia, o BCP foi a empresa que mais penalizou o desempenho do índice nacional. O banco liderado por Miguel Maya recuou 2,18%, para 22,84 cêntimos.

A bolsa também foi significativamente pressionada pela EDP Renováveis, que desvalorizou 2,35%, para 7,475 euros, enquanto a Galp Energia recuou 0,81%, para 13,455 euros, numa sessão que voltou a ser de quedas para o preço do petróleo nos mercados internacionais.

Em percentagem, o pior desempenho foi registado pela Corticeira Amorim. Os títulos da empresa derraparam 4,39%, para 8,49 euros, enquanto a Navigator destacou-se nas subidas ao ganhar 2,08% para 3,526 euros.

Nas subidas, e a travar as perdas em Lisboa, esteve a EDP. A elétrica liderada por António Mexia valorizou 1,01%, para 3,01 euros, enquanto a REN somou 0,25%.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa fecha no vermelho. Foi a pior semana desde outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião