AdC pede ao Governo medidas para aumentar a concorrência nos portos portugueses

  • Lusa
  • 27 Dezembro 2018

Para a Autoridade da Concorrência é urgente a adoção destas recomendações para “promover a eficiência e a concorrência das concessões nos terminais portuários através de procedimentos concursais”.

A Autoridade da Concorrência recomendou ao Governo e às administrações portuárias a adoção de medidas de promoção da concorrência nas concessões de terminais portuários, a liberalização do acesso aos mercados e a redefinição do modelo de governação portuário.

Segundo a Autoridade da Concorrência (AdC), é urgente a adoção destas recomendações para “promover a eficiência e a concorrência das concessões nos terminais portuários através de procedimentos concursais”, tendo em conta que 15 dos 27 contratos de concessão analisados vão expirar até 2025 e dois, nos terminais de contentores de Alcântara e de Sines, se encontram em processo de renegociação.

“A AdC recomenda ao Governo e às administrações portuárias a adoção de medidas de promoção das condições de concorrência pelo mercado nas concessões de terminais portuários, a liberalização do acesso aos mercados de serviços de reboque portuário e de pilotagem e a redefinição do modelo de governação dos portos”, disse, em comunicado, aquela entidade.

“Por outro lado, a implementação do plano de investimentos para o sistema portuário, no valor de cerca de 1,8 mil milhões de euros até 2026, apresenta-se como uma oportunidade para desenvolvimento do setor portuário português”, acrescentou.

A Concorrência defendeu ainda que num cenário de escolha entre uma renegociação e um novo procedimento, “se privilegie um novo procedimento concursal que permite sujeitar à concorrência, com maior frequência, os termos da concessão”.

"É urgente a adoção destas recomendações para “promover a eficiência e a concorrência das concessões nos terminais portuários através de procedimentos concursais.”

Autoridade da Concorrência

Para a AdC associados às renegociações estão ainda o risco de encerramento do mercado a outros operadores, “benefícios injustificados” para o concessionário e impactos adversos nas estratégias de licitação dos participantes em novos procedimentos.

No que se refere à liberalização do acesso aos serviços de reboque portuário e pilotagem, a entidade considerou que o licenciamento, em comparação com a atuação da administração portuária e a concessão, “tende a gerar mais benefícios para os consumidores e para a economia”, associados à maior pressão concorrencial.

“O licenciamento permite a atividade simultânea de diversos prestadores de serviços concorrentes e a variabilidade do número desses prestadores ao longo do tempo”, indicou.

Quando à última recomendação, que se refere à redefinição do modelo de governação dos portos, a Adc afirmou que é “fundamental uma separação clara das atividades das administrações portuárias de regulação, administração e prestação de serviços e exploração de terminais portuários” para eliminar os conflitos de interesse que o atual modelo pode gerar.

“As administrações portuárias devem ter, como linha orientadora de atuação, a promoção da utilização eficiente das infraestruturas, do bom desempenho dos serviços portuários e do valor gerado para os utilizadores dos portos, tomando em consideração a promoção da concorrência”, frisou.

Adicionalmente, deve assegurar-se que “as receitas das administrações portuárias não ultrapassam o estritamente necessário para garantir a sua sustentabilidade económico-financeira e a sua capacidade para financiar os investimentos da sua responsabilidade”.

A entidade notou ainda que as administrações devem estar obrigadas a publicar um conjunto de indicadores de eficiência e produtividade dos portos, que permitam comparar o desempenho dos vários portos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

AdC pede ao Governo medidas para aumentar a concorrência nos portos portugueses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião