Galamba: “As minhas ambições políticas são modestas”

  • ECO
  • 29 Dezembro 2018

Dois meses depois da nomeação, o secretário de Estado da Energia diz que tem muito para fazer. Leilões de capacidade fotovoltaica são prioridade.

João Galamba diz que tem “ambições políticas modestas”. Na primeira entrevista desde que é secretário de Estado da Energia, João Galamba diz, ao Expresso (acesso condicionado), que acredita que a independência da regulação está garantida. No entanto, admite que a atuação da ERSE deve continuar a subordinar-se ao quadro legal determinado pelo Parlamento e pelo Governo.

“Não se faz uma transição energética desta magnitude de costas voltadas ou em conflito permanente com o setor. As entidades têm os seus próprios interesses e a obrigação do Governo é governar de acordo com o interesse público”, diz o secretário de Estado.

Galamba assume que a política energética não deve ser feita “de costas voltadas” para as empresas do setor. Face à nomeação falhada do socialista Carlos Pereira para a administração do regulador da energia, o deputado do PS desvaloriza a situação. “Não [foi um tiro no pé]. Fez uma indicação, teve uma determinada avaliação do Parlamento, e o Governo tomou isso em consideração, nomeou outra pessoa [Pedro Verdelho, atual diretor de tarifas da ERSE]. Estou certo de que, sendo uma das pessoas mais reputadas da ERSE, terá uma avaliação muito positiva”.

Dois meses depois da nomeação para secretário de Estado da Energia, Galamba assume apenas que tem muito para fazer. “O único balanço que consigo fazer é que me apercebi de que tenho bastante trabalho para realizar. Tenho muita coisa para fazer em muitas áreas.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galamba: “As minhas ambições políticas são modestas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião