Derrocada em Borba: Galamba acusa Governo de Passos de ter “ignorado” alerta em 2014

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2018

Secretário de Estado da Energia acusa antecessor em funções em 2014, no Governo PSD/CDS-PP, de ter "ignorado" o "alerta" dos serviços de Economia do Alentejo sobre o risco da estrada de Borba.

O secretário de Estado da Energia acusou esta quinta-feira o antecessor em funções em 2014, no Governo PSD/CDS-PP, de ter “ignorado” o “alerta” dos serviços de Economia do Alentejo sobre o risco da estrada e das pedreiras em Borba.

Em 2014, a então Direção Regional de Economia do Alentejo, que foi posteriormente integrada na Direção-Geral de Energia e Geologia, “fez vários alertas à Câmara de Borba, participou em reuniões que já foram documentadas publicamente e avisou, enviou o seu alerta, o resultado do seu trabalho, à Secretaria de Estado da Energia do Governo anterior, ao secretário de Estado Artur Trindade”, disse João Galamba em declarações à agência Lusa.

No entanto, acusou João Galamba, “esse alerta não teve seguimento, foi recebido e ignorado”, porque “entendeu-se que não cabia à secretaria de Estado e ao Governo anterior ter qualquer iniciativa ou diligência sobre essa matéria”.

Em 2014, a então Direção Regional de Economia do Alentejo “alertou em reuniões, até tidas com a Câmara de Borba, que havia de facto um risco e alertou também o Governo”, insistiu, frisando que “o único Governo que foi alertado para o risco da estrada e das pedreiras de Borba foi o Governo anterior, esse foi o único Governo que recebeu um alerta”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Derrocada em Borba: Galamba acusa Governo de Passos de ter “ignorado” alerta em 2014

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião