Governo trabalha redução do défice até 0,5% este ano

Oficialmente a meta do défice para este ano é de um défice de 0,7%. Mas Mário Centeno já assumiu que pode ser "ligeiramente" mais baixa.

O Governo está a trabalhar com uma meta de défice para este ano melhor do que a que consta dos documentos oficiais. Para já ainda não há segurança total para assumir o novo número, mas o ECO sabe que o défice pode fechar este ano em 0,5% ou 0,6% do PIB.

Mário Centeno assumiu o otimismo do Executivo a 21 de dezembro, depois de o Instituto Nacional de Estatística (INE) ter divulgado que as contas públicas tinham registado um excedente de 0,7% até setembro. “Vamos ficar com certeza dentro do grau de cumprimento dos objetivos que tínhamos estabelecido e vamos ficar, com muita probabilidade, abaixo dos 0,7%, ligeiramente abaixo”, disse o ministro das Finanças à Lusa.

A declaração foi feita sete dias antes de a Direção-Geral do Orçamento (DGO) publicar novos dados sobre o andamento das contas públicas, na ótica da contabilidade pública, que mede recebimentos e pagamentos feitos pelo Estado.

Os dados mostraram que o saldo orçamental passou de um excedente de 259 milhões de euros para um défice de 624 milhões de euros. Mas este deslize já era esperado pelo Ministério das Finanças, que tinha alertado para a pressão na despesa na reta final do ano, em resultado do pagamento integral do subsídio de Natal aos funcionários públicos e pensionistas, que no ano anterior tinham recebido parte desta remuneração em duodécimos.

Esta evolução já estava assim incorporada nos cálculos do ministro das Finanças, quando assumiu que o défice pode fechar 2018 melhor do que objetivo traçado.

No entanto, ainda sem números fechados para dezembro e sem saber qual a receita arrecadada nos primeiros dias de 2019 — mas que ainda fará parte das contas do défice de 2018 –, o Governo prefere não assumir já publicamente um número. Além disso, com variações tão curtas, o Executivo prefere optar por ser prudente — qualquer deslize na reta final do ano pode estragar a surpresa.

Para já tudo parece controlado. Até novembro, a receita efetiva arrecada pelo conjunto da Administração Pública cresceu 5,4%, acima dos 5,2% previstos no Orçamento do Estado para 2018. A despesa subiu 3,3%, contra uma previsão de aumento de 6,3%, mostram os dados da DGO.

O valor do défice com que 2018 fechar será o ponto de partida para 2019, ano para o qual está previsto um saldo negativo de 0,2% do PIB.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo trabalha redução do défice até 0,5% este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião