Governo avança com novo plano de obras públicas com anterior por concluir

  • ECO
  • 3 Janeiro 2019

O Governo está já a preparar um novo Plano Nacional de Investimentos para a próxima década. Isto quando o programa a vigorar até 2020 está ainda concretizado em apenas 20%.

O Governo quer avançar já com um novo Plano Nacional de Investimentos (para vigorar na próxima década). Isto quando o programa anterior (lançado por Passos Coelho e desenhado para vigorar até 2020) está apenas concretizado em 20%, avança o Público (acesso condicionado), esta quinta-feira.

Segundos os dados oficias, 80% do plano de obras obras públicas lançado pelo Governo anterior ainda está por cumprir, um valor que, de acordo com a Confederação da Construção e do Imobiliário, é mais otimista do que o real. Segundo esta entidade, apenas 539 milhões de euros dos 6.068 milhões de euros de investimento previstos foram, de facto, aplicados, ou seja, apenas 8,8% do plano foi cumprido.

Dos 50 projetos previstos, apenas nove foram efetivamente concretizados. Se a calendarização tivesse sido cumprida, apenas 12 projetos estariam em execução no final do ano, uma vez que os restantes 38 já teriam sido concluídos”, sublinha o presidente da confederação, em declarações ao jornal referido.

Os atrasos são reconhecidos pelo atual Governo, que frisa que quando tomou posse não havia nem projetos nem obras, pelo que essas cinco dezenas de projetos planeados para esta década se deverão estender até 2023.

Enquanto isso, o Executivo de António Costa quer ver já aprovado no Parlamento o seu novo plano — o PNI 2030 — antes de submeter à aprovação do Conselho Superior de Obras Públicas. De notar que, desse novo plano, constam vários investimentos no setor rodoviário, ferroviário e marítimo que saltaram do plano anterior, porque não havia financiamento para serem concretizados no âmbito desse programa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo avança com novo plano de obras públicas com anterior por concluir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião