PLMJ alvo de ataque informático. Há duas semanas emails do e-toupeira foram revelados num blogue

A PLMJ foi alvo de pirataria informática. Escritório já assumiu à Advocatus que está a avaliar "o impacto potencial" deste acesso "ilegítimo".

A PLMJ está a ser alvo de pirataria informática. “Na sequência de sucessivas tentativas de intrusão ilícitas, a segurança de rede da PLMJ foi recentemente comprometida”, segundo fonte oficial do escritório explicou à Advocatus. As razões, desde quando ou que informação em concreto foi pirateada, não foram reveladas pelo escritório “por questões de segurança”.

“A PLMJ está a avaliar o impacto potencial desse acesso ilegítimo a informação, tendo definido de imediato, em conjunto com uma equipa de especialistas, medidas preliminares de proteção e contenção”.

Já depois da notícia do ECO, o Expresso divulgou que documentação sobre alguns processos, que envolvem advogados do escritório, incluindo os ligados a Manuel Pinho e António Mexia, a Ricardo Salgado e Henrique Granadeiro, à holding estatal Parvalorem e ao ‘super-espião’ Jorge Silva Carvalho, terá sido exposta. E que a Polícia Judiciária (PJ) já estará a investigar.

O ECO/Advocatus sabe que há cerca de duas semanas foram divulgados mails no blogue “Mercado de Benfica” — o mesmo que deu origem ao caso e-toupeira — que divulgavam conversas entre os três advogados do Benfica: João Medeiros, sócio da PLMJ, Rui Patrício, sócio da Morais Leitão e Paulo Saragoça da Matta e ainda um membro da comunicação do Benfica.

Entretanto, esse mesmo blogue encontra-se suspenso pela WordPress, plataforma na qual estava disponível. Ao aceder à página surge apenas a mensagem de que o blogue já não está disponível, de acordo com aos termos de serviço da WordPress. O autor do blogue já o ativou, entretanto, num servidor iraniano onde constam os documentos expostos relativos aos processos.

Recorde-se que o Benfica tinha avançado com uma queixa contra desconhecidos e empresas ligados à alegada utilização ilegal de correspondência do clube.

“A segurança das informações dos nossos clientes e a defesa dos seus interesses e direitos são a nossa prioridade”, remata aquele que é o maior escritório de advogados português, com mais de 300 advogados. “Manter-vos-emos informados de toda e qualquer evolução ou facto novo substanciais relacionados com este tema”, remata o esclarecimento enviado ao ECO.

Notícia atualizada

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PLMJ alvo de ataque informático. Há duas semanas emails do e-toupeira foram revelados num blogue

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião