Ações da Mota-Engil sobem 4%. BPI vê construtora “em boa posição” na expansão do aeroporto de Lisboa

BPI diz que Mota-Engil está "em boa posição" para ficar com a obra do aeroporto do Montijo. Mas construtora também poderá ganhar com aumento do tráfego nas pontes sobe o Tejo que explora com a Vinci.

A Mota-Engil é uma das estrelas da bolsa nacional neste arranque de ano. Valoriza já mais de 10% em 2019. Esta quarta-feira, a construtora portuguesa volta a ser um dos destaques no PSI-20, negociando em alta 4%. Os analistas do BPI/CaixaBank colocam a empresa em “boa posição” para integrar o consórcio para o novo projeto de expansão aeroportuária em Lisboa, num investimento que vai superar os 1.700 milhões de euros.

As ações da Mota-Engil estão a subir 3,83% para 1,79 euros, no melhor desempenho do principal índice português. Mais de 350 mil títulos tinham sido transacionados apenas na primeira hora de negociação em Lisboa, metade da média diária dos últimos 12 meses, o que dá conta do forte apetite comprador dos investidores.

A construtora está a recuperar de um mau 2018, ano em que perdeu metade do seu valor em bolsa. E ganha agora um novo impulso que pode consolidar esta trajetória favorável no novo ano. O Governo e a concessionária de aeroportos ANA assinaram esta terça-feira o memorando de entendimento para a expansão aeroportuária na capital portuguesa e que passa pelo alargamento do aeroporto Humberto Delgado e pela construção de um novo aeroporto na base militar do Montijo, do outro lado do Rio Tejo.

O investimento vai atingir os 1.747 milhões de euros, integralmente financiados pela concessionária detida pelos franceses da Vinci durante o período da concessão que vai até 2062.

"Em relação à construção, ainda não é claro se será lançado um concurso público para a seleção de um consórcio de construção ou se o projeto será diretamente entregue a um consórcio pela ANA/Vinci. Em ambos os cenários, vemos a Mota-Engil em boa posição para integrar o consórcio de construção.”

BPI/CaixaBank

Os analistas do BPI/CaixaBank consideram que a construtora liderada por Gonçalo Moura Martins poderá ser um dos grandes vencedores do projeto. Por duas razões: o novo aeroporto em Montijo “vai aumentar o tráfego numa das suas principais concessões (Lusoponte) e acreditamos que a Mota-Engil (a principal construtora em Portugal) está também em boa posição para integrar o consórcio de construtoras deste grande projeto”, disseram numa nota de research publicada esta terça-feira.

O banco de investimento lembra que a Vinci é parceira da Mota-Engil na Lusoponte, que detém a concessão das duas pontes sobre o Tejo com ligação direta à capital portuguesa, e “serão cruciais para a ligação entre o centro de Lisboa e o novo aeroporto do Montijo”.

“Em relação à construção, ainda não é claro se será lançado um concurso público para a seleção de um consórcio de construção ou se o projeto será diretamente entregue a um consórcio pela ANA/Vinci. Em ambos os cenários, vemos a Mota-Engil em boa posição para integrar o consórcio de construção“, rematou o BPI/CaixaBank, que atribui um preço-alvo de 3,10 euros às ações da construtora.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ações da Mota-Engil sobem 4%. BPI vê construtora “em boa posição” na expansão do aeroporto de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião