Depois do pódio, Mercedes carrega baterias para acelerar vendas

A Mercedes viveu o "melhor ano de sempre em Portugal". Ficou em terceiro nas vendas, apostando agora na electrificação para acelerar no novo ano.

Renault, Peugeot e… a Volkswagen caiu a pique no ranking das vendas de automóveis no mercado nacional. A Mercedes aproveitou para acelerar rumo ao pódio naquele que foi o “melhor ano de sempre em Portugal”. Vendeu quase 16.500 veículos, mas quer mais. E, para isso, vai carregar de baterias muitos modelos da marca da estrela.

“Tivemos um crescimento de 1,2%” em termos de vendas, notou Pierre-Emmanuel Chartier, diretor geral da Mercedes Portugal. “Foi o melhor ano de sempre”, que levou a marca para terceiro lugar no ranking das vendas, alcançando 7,2% de quota de mercado. A Smart, detida pela fabricante alemã, também cresceu, sendo de destacar que a quota de mercado de 1,4% que se traduziu no “melhor desempenho do mundo”.

“Estamos muito orgulhosos” dos resultados alcançados no ano passado, salientou o diretor da marca em Portugal. O Classe A dominou as vendas, representando 35% do total, seguido dos CLA, GLA e do B, que será a primeira renovação em 2019. Estes modelos representaram 20% das vendas.

O Classe S, o topo de gama da fabricante, teve um peso bem menos expressivo, bem como os AMG, a marca mais desportiva. Contudo, os AMG registaram um forte crescimento: 36%, para um total de 205 unidades comercializadas. “Foi o melhor ano de sempre da AMG”, sublinhou Nuno Mendonça, diretor de vendas e marketing da Mercedes Portugal.

Híbridos Plug-in vão dominar. Principalmente a diesel

As vendas cresceram, muito suportadas no gasóleo, nomeadamente com o bloco de pequenas dimensões que a marca tem no Classe A, uma pareceria com a Renault. O diesel continuará a ser aposta da Mercedes com um novo 2.0 de 190 e 194 CV, mas com muito menores emissões. Mas a eletrificação vai ganhar espaço na gama da Mercedes.

Num ano em que a marca vai “lançar 12 produtos”, como salientou o Pierre-Emmanuel Chartier, com nove novos modelos e três facelifts, a Mercedes prepara-se para equipar 13 modelos com variantes Plug-in, sendo cinco delas a gasóleo — diesel pesou 93% nas vendas da Mercedes. “Somos a única marca do segmento co. híbridos a diesel”, destacou Nuno Mendonça, acreditando que 10% das vendas de 2019 será híbrida, a gasóleo.

A eletrificação vai chegar a todas as gamas, com o C e o E a passarem a apresentar motorizações com mais de 300 CV e emissões de CO2 que se vão ficar pelos 38 a 41 gramas por quilómetro. No caso do Classe A, apenas haverá em 2019 no motor a gasolina, com o A250e que chegará ao mercado em setembro.

EQC, a marca elétrica chega no meio do ano

A eletrificação atinge o expoente na fabricante alemã com a introdução do seu primeiro modelo totalmente elétrico, que surge ao mesmo tempo que a nova marca, a EQC. E a estreia será feita com um SUV, o EQC 400.

O EQC é um SUV com 408 cv e 400 quilómetros de autonomia, pretendendo ser a “referência” no segmento, salienta o diretor-geral da marca em Portugal. A dúvida é, ainda, o preço a que este novo modelo será colocado no mercado.

Enquanto a Mercedes lança o EQC, totalmente elétrico, a Smart pretende passar a ser totalmente elétrica. “A Smart vai ser em 2020 a ser totalmente elétrica”, revelou o responsável pela marca, Bernardo Villa, salientando que “2019 vai ser o último ano de vendas de carros com motores a combustão” para a marca de modelos citadinos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois do pódio, Mercedes carrega baterias para acelerar vendas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião