Exportações caem 8,7% em novembro por causa da greve dos estivadores em Setúbal

Mais de dois terços da queda veio das exportações de material de transporte. No trimestre terminado em novembro, as vendas para o exterior recuaram pela primeira vez nos últimos 26 meses.

As exportações caíram 8,7% em novembro em relação ao mesmo mês de 2017, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira. A greve dos estivadores do porto de Setúbal afetou a saída de carros para exportação, designadamente da Autoeuropa, explica em grande parte o recuo. 66% da queda das exportações vem do material de transporte.

“Em novembro de 2018, em termos das variações homólogas mensais, as exportações diminuíram 8,7% (+5,3% em outubro de 2018), devido à diminuição verificada no comércio Intra-UE e no comércio Extra-UE, sendo de destacar o decréscimo das exportações de material de transporte, maioritariamente de Automóveis para transporte de passageiros, em 29,4% (contributo de -5,7 p.p. para a taxa de variação homóloga do total das exportações de bens), que estará associado à greve dos estivadores no porto de Setúbal”, diz o INE na nota publicada esta quarta-feira sobre a evolução do comércio internacional até novembro.

“Em novembro de 2018, o défice da balança comercial atingiu 2.066 milhões de euros, mais 1.157 milhões de euros que no mesmo mês de 2017”, acrescenta o INE.

Evolução das exportações (variação homóloga)

Fonte: INE

A greve dos estivadores do porto de Setúbal afetou a saída de carros da Autoeuropa para o exterior do país. A multinacional alemã de Palmela chegou a ter 20 mil carros parados à espera que a paralisação dos estivadores terminasse para os poder colocar fora do país.

No mesmo mês, “as importações aumentaram 11,5% (+5,4% em outubro de 2018), igualmente em resultado da evolução em ambos os tipos de comércio, com as importações de Material de transporte a registarem um acréscimo de 21,3% (contributo de +3,4 p.p. para a taxa de variação homóloga do total das importações), em resultado fundamentalmente da aquisição de outro material de transporte (aviões)”, acrescenta o instituto estatístico.

Este comportamento levou as exportações a apresentarem um comportamento recorde quando se analisam os dados num trimestre terminado em novembro. “No trimestre terminado em novembro de 2018, as exportações registaram uma diminuição (-1,0%) pela primeira vez nos últimos 26 meses, e as importações aumentaram 5,8%, face ao mesmo período de 2017 (+2,9% e +4,4%, pela mesma ordem, no trimestre terminado em outubro de 2018).”

No entanto, em termos acumulados no conjunto dos primeiros onze meses do ano, as exportações apresentaram um crescimento de 4,9% face ao período janeiro a novembro de 2017. Trata-se ainda assim de uma desaceleração em relação ao aumento observador até outubro quando as vendas para o exterior tinham subido 6,5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

A 18 de dezembro, o Banco de Portugal dava conta de uma revisão em baixa das previsões para a economia portuguesa em 2018, de 2,3% para 2,1%, por causa das exportações. No entanto, esta projeção ainda não tinha em conta o impacto da greves na reta final do ano, já que a informação recolhida pelo banco central ainda não contemplava todo o mês de novembro.

O Governo prevê que em 2018 as exportações totais (de bens — como as que são reveladas pelo INE — como também as de serviços) cresçam 6,6%.

“Em novembro de 2018 nas exportações, tendo em conta os principais países de destino em 2017, todos os países, com exceção de Itália (+1,5%), registaram decréscimos face ao mês homólogo de 2017, evidenciando-se a Alemanha (-21,6%) e a França (-12,2%), em ambos os casos devido sobretudo aos Veículos e outro material de transporte”, revela o INE.

Já em relação aos principais fornecedores em 2017, em novembro de 2018 os “aumentos mais expressivos em termos homólogos registaram-se nas importações provenientes de França e Alemanha (+37,2% e +10,2%, respetivamente), sobretudo em veículos e outro material de transporte. As importações da Rússia registaram o único decréscimo (-36,2%), justificado pela redução das importações de combustíveis minerais”.

(Notícia em atualização)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exportações caem 8,7% em novembro por causa da greve dos estivadores em Setúbal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião