Preocupações com a China castigam Wall Street

Os principais índices norte-americanos encerraram no vermelho, prejudicados pelas tensões oriundas da China. Uma queda inesperada nas exportações abalou os mercados.

Os principais índices norte-americanos encerraram em queda, mantendo a tendência de abertura. A penalizar os mercados esteve, novamente, a China, depois de uma queda abrupta e inesperada nas importações e exportações ter aumentado as preocupações sobre uma desaceleração económica do país.

O S&P 500 perdeu 0,53% para 2.582,38 pontos, assim como o industrial Dow Jones que recuou 0,36% para 23.908,55 pontos. O tecnológico Nasdaq não escapou a este cenário e encerrou a desvalorizar 0,94% para 6.905,92 pontos.

Dados relativos ao mês de dezembro mostraram uma queda inesperada nas exportações chinesas ao fim de dois anos, e as importações não foram exceção. Esta tendência de diminuição fortaleceu as preocupações relativas a um maior enfraquecimento daquela que é a segunda maior economia do mundo, alertando ainda para uma procura instável de produtos chineses a nível mundial, diz a Reuters (conteúdo em inglês).

Os fabricantes de chips, que obtêm uma parte considerável das receitas em território chinês, foram afetados: a Micron Technology desvalorizou 3,72% para 34,67 dólares, enquanto a Qualcomm recuou 0,35% e a Advanced Micro Devices perdeu 0,2 %.

À medida que crescem estas preocupações sobre o crescimento mundial, diminuem as expectativas sobre o crescimento empresarial norte-americano. Os analistas estimam que os lucros do S&P 500 subam 14,3% no quatro trimestre do ano passado, mas as previsões de outubro apontavam para um aumento de 20,1%.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preocupações com a China castigam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião