Alemanha cresceu 1,5% em 2018. O ritmo mais lento em cinco anos

A maior economia da zona euro travou. O ano passado só cresceu 1,5%. Ainda não há dados oficiais para o quarto trimestre, mas a Alemanha deverá ter escapado à recessão.

A economia alemã cresceu, em 2018, ao ritmo mais lento dos últimos cinco anos, devido a um forte abrandamento da procura global, mas também às perturbações que afetam a indústria automóvel. A expansão do PIB arrefeceu para 1,5% contra os 2,2% registados em 2017.

Fonte: Destatis

Embora os dados oficiais do quarto trimestre só sejam conhecidos a 14 de fevereiro, tudo aponta para que o motor do crescimento europeu tenha conseguido crescer ligeiramente nos últimos três meses do ano e assim escapar à recessão, tecnicamente definia por dois trimestres consecutivos de contração da atividade económica. O INE alemão, no seu comunicado, em inglês, prefere sublinhar que a Alemanha cresce consecutivamente há nove anos.

A Alemanha é a primeira economia no mundo desenvolvido a publicar os dados de 2018 e como terceiro maior exportador mundial é um indicador da saúde da economia global. Os decisores mundiais estão mais cautelosos quanto o crescimento e atentos à eventual necessidade de agir. Os dados já divulgados de produção industrial e aos inquéritos às empresas apontavam para um segundo trimestre de contração, nos três últimos meses do ano. Um receio que, de acordo com o Destatis, não se deverá ter verificar.

A Bloomberg sublinha que apesar do final de ano, ser de abrandamento, os investidores têm demonstrado apetite por ações alemãs no início deste ano já que as negociações entre os Estados Unidos e a China por causa das exportações parecem seguir no bom caminho, afastando os receios de uma guerra comercial. As encomendas de carros e de componentes de motores para carros começaram a inverter a tendência de queda registada no verão desencadeada pelo escândalo das emissões.

Do lado do Governo, a coligação da chanceler Angela Merkel está a planear investir 151,6 mil milhões de euros até 2022 em estradas, caminhos-de-ferro e internet mais rápida. Um montante recorde e que representa uma mudança de posição depois de cinco anos com excedente orçamental.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alemanha cresceu 1,5% em 2018. O ritmo mais lento em cinco anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião