Banca continua a desiludir. China põe Wall Street no verde

Os resultados do setor bancário voltaram a desiludir mas, desta vez, as bolsas norte-americanas estão a conseguir escapar às perdas. Os investidores estão otimistas quanto aos estímulos na China.

Os resultados do setor bancário voltaram a desiludir os investidores mas, nesta sessão, as principais bolsas norte-americanas estão a conseguir escapar às perdas. Um dia depois de o Citigroup ter apresentado resultados abaixo dos estimados pelos analistas, esta terça-feira foi a vez do JP Morgan e do Wells Fargo desanimarem os mercados. Contudo, os estímulos que a China quer implementar na economia permitem manter os mercados em terreno positivo.

O principal índice dos Estados Unidos, S&P 500, abriu a ganhar 0,1% para 2.585,10 pontos, assim como o tecnológico Nasdaq que está a avançar 0,37% para 6.931,39 pontos. Já o industrial Dow Jones está a valorizar 0,02% para 23.914,11 pontos, ainda que um pouco penalizado pelo setor bancário.

Se a primeira sessão da semana arrancou e terminou no vermelho, com os resultados dececionantes do setor bancário, esta foi diferente. Depois de os lucros do Citigroup terem ficado aquém das expectativas, os números de outras duas instituições financeiras não foram suficientes para abalar os mercados.

O JP Morgan apresentou lucros de 7,07 mil milhões de dólares no quarto trimestre do ano passado, o correspondente a 1,98 dólares por ação, mas os analistas esperavam um resultado líquido de 2,20 dólares por ação. Os números ficaram abaixo do esperado pela primeira vez em 15 trimestres, diz a CNBC (conteúdo em inglês).

Também o Wells Fargo obteve um resultado líquido de 6,06 mil milhões de dólares no mesmo período, representando uma queda face ao mesmo trimestre de 2017. Apesar disso, isto foi o equivalente a 1,21 dólares por ação, mais do que os analistas estimaram (1,20 dólares).

“À medida que arranca a temporada de apresentação de resultados do setor financeiro, os mercados não verão um cenário agradável”, diz Art Hogan, da National Securities em Nova Iorque, citado pela Reuters.

Contudo, os mercados mantiveram-se em terreno positivo, animados pelos estímulos que o Governo chinês pretende implementar para estimular a economia do país. O objetivo é adotar medidas a curto prazo para evitar uma desaceleração económica, isto depois de uma queda inesperada nas importações e exportações do país em dezembro passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca continua a desiludir. China põe Wall Street no verde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião