Minoritários do BPI determinados em travar CaixaBank. Vão avançar para tribunal

  • ECO
  • 15 Janeiro 2019

Seja qual for a decisão sobre a providência cautelar, os pequenos investidores do BPI vão dar entrada do processo principal.

Depois de terem apresentado uma providência cautelar para impedir a saída de bolsa do banco liderado por Pablo Forero, os pequenos investidores do BPI garantem que vão, agora, avançar para tribunal, independentemente da aprovação, ou não, da providência cautelar. O grupo minoritário está determinado em travar o CaixaBank, que pretende retirar o banco da bolsa de Lisboa.

Octávio Viana, presidente da Associação de Investidores e Analistas Técnicos (ATM) diz ao Jornal de Negócios (acesso pago) que “a providência ainda não foi decidida e as ações continuam na conta dos acionistas”. Contudo, a reposta a uma providência cautelar chega, normalmente, no prazo de uma semana e o certo é que já lá vão mais de 15 dias desde que a ação apresentada pela associação deu entrada no Tribunal Judicial da Comarca de Vila Nova de Gaia.

O presidente da ATM diz desconhecer o porquê de a operação ainda não ter sido liquidada. No entanto, qualquer que seja a decisão sobre a providência — aprovação ou rejeição — certo é que a associação dará “sempre entrada do processo principal”, garante Octávio Viana.

Tal significa que, independentemente do veredicto do tribunal, a ATM vai avançar para a ação principal. Os pequenos investidores do BPI querem, por um lado, manter os títulos, reclamando o “direito de propriedade provada” e, por outro lado, ressalvam o facto de existir uma outra ação judicial com audiências marcadas para este mês.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Minoritários do BPI determinados em travar CaixaBank. Vão avançar para tribunal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião