“Maior terminal rodoferroviário” da Península Ibérica abre em 2020, em Famalicão

  • Lusa
  • 16 Janeiro 2019

O "maior terminal ferroviário de mercadorias" da Península Ibérica vai ser construído em Vila Nova de Famalicão, com o investimento de 35 milhões de euros por parte de uma "empresa líder" no setor.

O “maior terminal rodoferroviário” da Península Ibérica vai abrir em 2020 em Vila Nova de Famalicão, resultado de um investimento privado de 35 milhões de euros que o Governo garantiu “complementar” com o programa nacional de investimentos.

A obra será feita pela Medway, ao abrigo de um protocolo entre a autarquia de Famalicão, no distrito de Braga, a empresa e a Infraestruturas de Portugal, assinado esta quarta-feira numa cerimónia no salão nobre dos Paços do Concelho, com o presidente da autarquia a salientar que este é um investimento que representa “décadas de potencial investimento” no território.

“[O investimento é] fruto da decisão de um investidor privado que arriscou, que foi arrojado, que decidiu avançar e criar muito mais capacidade para o transporte de mercadorias em Portugal e é fruto do investimento realizado no âmbito do plano Ferrovia 2020“, afirmou o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, presente naquela cerimónia.

Do lado da empresa investidora, o presidente da Medway, Carlos Vasconcelos, aproveitou o momento para deixar um pedido ao Governo: “Com o atual estado da linha [do Norte, nomeadamente entre Contumil e Ermesinde] dificilmente conseguiremos fazer passar mais de cinco ou seis comboios por dia”, alertou, depois de esclarecer que o novo terminal está projetado para fazer circular 12 a 14 composições diariamente.

Pedro Marques respondeu e deixou garantias: “Eu tenho que assinalar que naturalmente o Governo já se comprometeu com a apresentação do programa nacional de investimento a complementar [o investimento privado]”, apontou.

O ministro apontou como exemplos a “quadruplicação do troço de Contumil, investimento na linha de Leixões, para dar mais capacidade ao transporte de mercadorias, uma ligação mais competitiva de Campanhã ao aeroporto e muito investimento na linha do Norte para dar mais 40% de capacidade de transporte de mercadorias”.

Além de agradar ao Governo, o novo terminal, apresentado como “o maior terminal rodoferroviário da Península Ibérica”, é também uma mais-valia para Famalicão.

“Mostra uma avaliação positiva do que o território tem feito. Não fosse a dinâmica do território não seria aqui feito. Os ganhos são enormes. Estou certo que são várias décadas de potencial investimento que gera em Famalicão e toda a região Norte”, congratulou-se o presidente da autarquia, Paulo Cunha.

A nova estrutura, que vai começar a ser construída depois de ter as respetivas licenças e ser feito o estudo de impacto ambiental obrigatório, tem como prazo de execução 14 meses, estando prevista a sua conclusão em março de 2020.

A Medway estima que serão criados 100 postos de trabalho diretos e indiretos “para operacionalizar este terminal”.

A nova infraestrutura vai ter uma área de 200 mil metros quadrados, seis linhas de 750 metros e uma capacidade para parqueamento de 10.000 TEU (unidade equivalente a 20 Pés, medida-padrão utilizada para calcular o volume de um contentor), o que equivale a mais de 500 mil movimentos por ano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Maior terminal rodoferroviário” da Península Ibérica abre em 2020, em Famalicão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião