Banco CTT atira para Bruxelas eventual nacionalização dos correios

  • ECO
  • 22 Janeiro 2019

O facto dos CTT terem uma licença bancária obrigaria a que Bruxelas fosse chamada a autorizar eventual processo de nacionalização. Reversão da privatização é pedida por alguns setores do PS.

Uma eventual reversão da privatização dos CTT, como defendem alguns membros do PS, entre os quais o líder da distrital do Porto, Manuel Pizarro, teria que ter o aval de Bruxelas. Em causa está o Banco CTT.

Segundo o Público (acesso condicionado), que cita o coordenador da bancada parlamentar do PS para os assuntos económicos, Carlos Pereira, a entrada de dinheiro no capital dos CTT precisaria de uma autorização das entidades europeias, porque a injeção de dinheiros públicos num banco só pode ocorrer em circunstâncias especiais.

“À partida, teria que ser este o procedimento, o que se traduz num constrangimento muito grande. Seria muito complicado, quase impossível”, explica o deputado.

Aliás, Carlos Pereira recusou-se a afirmar se é ou não defensor da nacionalização, dizendo apenas “a questão que se coloca não é se somos ou não favoráveis, mas se temos condições para isso“.

A questão da nacionalização dos CTT, surgiu depois de vários membros do PS, se terem juntado ao Bloco de Esquerda e ao PCP, a pedir a reversão da privatização. Manuel Pizarro, ainda esta segunda-feira, em declarações ao ECO, adiantava que a continuar assim “arriscámo-nos a não ter CTT num futuro próximo”.

Ainda assim, Manuel Pizarro não defende a nacionalização dos CTT, mas sim uma entrada no capital da empresa por parte do Estado, de modo a assegurar o serviço postal universal de forma mais eficiente.

Os CTT foram privatizados pelo governo de Passos Coelho, em 2013, sendo que a atual concessão do serviço postal universal termina em 2020.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Banco CTT atira para Bruxelas eventual nacionalização dos correios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião