Carga nos portos caiu 4,4% até novembro para 84,9 milhões de toneladas

  • Lusa
  • 28 Janeiro 2019

A carga movimentada nos portos portugueses caiu 4,4% até novembro, para 84,9 milhões de toneladas, face ao período homólogo, com Aveiro e Faro em contraciclo, segundo a AMT.

A carga movimentada nos portos portugueses caiu 4,4% até novembro, para 84,9 milhões de toneladas, face ao período homólogo, com Aveiro e Faro em contraciclo, segundo a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

Esta queda de 3,9 milhões de toneladas “foi muito influenciada pela diminuição da importação de petróleo bruto e carvão”, sendo que há ainda a assinalar “sinais de recuperação ao nível do tráfego de contentores, que registou +0,8% em número e +1,4% no volume de carga contentorizada”, explica o relatório da AMT divulgado esta segunda-feira.

Segundo o relatório, “apenas Aveiro e Faro registaram desempenhos positivos traduzidos por taxas respetivas de crescimento de 6,2% e 74,3%, com Aveiro a manter a melhor marca de sempre, com um volume superior a 5 milhões de toneladas”.

A maioria das infraestruturas, no entanto, perdeu carga, num total superior a 4,2 milhões de toneladas, com um maior peso em Sines (-2,6 milhões de toneladas), Lisboa (-796 mil toneladas) e Leixões (-496 mil toneladas). Setúbal registou uma queda de 278 mil toneladas.

De acordo com a AMT, os portos têm presença num total de 57 mercados, tendo “31 registado quebras no seu volume, em termos de carga embarcada e desembarcada, num total que excede 6,5 milhões de toneladas, e os restantes registado acréscimos que atingem quase 2,7 milhões de toneladas”.

Por outro lado, no segmento de contentores, a AMT revelou que “o sistema portuário do Continente movimentou cerca de 1,72 milhões de unidades e 2,75 milhões de TEU, correspondentes, respetivamente, a +0,8% e -0,2%, quando comparadas com igual período de 2017, sendo que o número de unidades representa o valor mais elevado de sempre”.

Os mercados com um comportamento mais positivo neste segmento foram o de Sines, com a melhor performance de sempre, e Leixões, avançou a entidade. Os restantes portos registaram variações negativas, com especial destaque para Lisboa que perdeu 12,6% e para Setúbal, com uma queda de 13,2%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carga nos portos caiu 4,4% até novembro para 84,9 milhões de toneladas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião