Zero concorda com ministro do Ambiente. Carros a diesel vão desvalorizar

  • Lusa
  • 28 Janeiro 2019

A associação ambientalista Zero aponta que será mais económico para as empresas adquirirem e utilizarem veículos elétricos, que terão mais autonomia.

A associação ambientalista Zero manifestou-se “de acordo com a questão levantada pelo ministro do Ambiente”, relativamente à desvalorização dos carros a diesel, e disse que têm perspetivas em “completa consonância” relativamente ao futuro próximo.

“Neste caso, estamos de acordo com a questão levantada pelo ministro”, afirmou em declarações à Lusa Francisco Ferreira, presidente da associação ambientalista Zero. “A perspetiva que o ministro do Ambiente dá está em completa consonância com a perspetiva que temos em relação à evolução da tecnologia automóvel no futuro próximo”, acrescentou o responsável.

Em entrevista publicada na edição desta segunda-feira do Jornal de Negócios, João Pedro Matos Fernandes afirmou ser “muito evidente que quem comprar um carro a ‘diesel’ muito provavelmente daqui a quatro ou cinco anos não vai ter grande valor na sua troca”.

“Os estudos apontam no sentido de que é mais económico para as empresas adquirirem e utilizarem veículos elétricos e que em três anos os benefícios à compra de elétricos não serão necessários porque estes veículos terão maior autonomia e serão mais baratos do que os veículos a gasolina e a gasóleo”, afirmou o presidente da Zero.

O responsável alertou para que “a frota de veículos a gasóleo é das que tem maior peso, nomeadamente entre as pessoas que andam muito de carro”, devido à grande diferença que existia, no momento da compra, entre o preço do gasóleo (muito mais baixo) e o da gasolina.

“Existe um problema muito grande associado às emissões de óxido de azoto e é realmente devido ao tráfego automóvel intenso e ao facto de a grande percentagem ser de automóveis a gasóleo que não estamos a conseguir cumprir requisitos de qualidade do ar em vários locais dos centros urbanos. O gasóleo é o principal culpado”, argumentou Francisco Ferreira.

O responsável acrescentou que o que acontece em Portugal já está a acontecer noutros países.Muitas cidades europeias ponderam banir os veículos a gasóleo ou estabelecer zonas com zero emissões e também há perspetiva de se vir a banir os motores a combustão nas próximas décadas”, referiu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zero concorda com ministro do Ambiente. Carros a diesel vão desvalorizar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião