Escândalo do diesel não trava lucros da Volkswagen. Fabricante lucra 9,1 mil milhões até setembro

  • Lusa
  • 30 Outubro 2018

Os custos extraordinários provocados pela crise dos veículos a diesel foram de 2.400 milhões de euros, nos primeiros nove meses de 2018.

O grupo Volkswagen obteve até setembro um lucro líquido de 9.118 milhões de euros apesar dos efeitos da implementação da norma de homologação na Europa e da multa de 800 milhões de euros à Audi devido ao escândalo dos veículos a diesel.

O grupo automobilístico informou esta terça-feira que o lucro líquido de 9.118 milhões de euros, 24,2% mais do que em 2017, ficou a dever-se ao aumento das vendas e porque no ano passado registou custos extraordinários devido ao escândalo relacionado com a manipulação das emissões nos carros a diesel.

O resultado operativo subiu 2,2% entre janeiro e setembro (10.871 milhões de euros) e a faturação registou um incremento de 2,7% (174.577 milhões de euros), no mesmo período.

O grupo Volkswagen disse que superou os níveis principais do balanço referente aos três primeiros trimestres apesar da implementação da nova norma de homologação que teve efeitos negativos “temporários” nas vendas durante o terceiro trimestre, sobretudo na Europa.

A rentabilidade operativa sobre as vendas do grupo Volkswagen foi de 7,6%.

Os custos extraordinários provocados pela crise dos veículos a diesel foram – nos primeiros nove meses de 2018 – de 2.400 milhões de euros (2.600 milhões de euros no ano passado).

Herbert Diess, presidente do grupo Volkswagen, disse hoje na apresentação dos resultados que o “balanço dos primeiros nove meses é satisfatório”.

Mesmo assim, considerou que o setor automóvel tem de superar “grandes desafios” porque se encontra numa fase de transformação e tem de “acelerar a velocidade do processo de mudanças”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Escândalo do diesel não trava lucros da Volkswagen. Fabricante lucra 9,1 mil milhões até setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião