Deutsche Bank regressa aos lucros após três anos de prejuízos

  • Lusa
  • 1 Fevereiro 2019

Em 2018, o banco alemão obteve um lucro líquido atribuído de 267 milhões de euros, após três anos de prejuízos, mas perdeu dinheiro nos últimos meses do ano e enfrenta uma série de problemas legais.

O Deutsche Bank obteve em 2018 um lucro líquido atribuído de 267 milhões de euros, após três anos de prejuízos, mas perdeu dinheiro nos últimos meses do ano e enfrenta uma série de problemas legais. O primeiro banco comercial privado da Alemanha, que em 2017 tinha perdido 751 milhões de euros, informou esta sexta-feira que o lucro antes dos impostos subiu para 1.300 milhões de euros em 2018 (+ 8%).

A administração do Deutsche Bank irá propor ao conselho fiscal a distribuição de um dividendo de 0,11 euros por ação pelo ano de 2018.

O presidente da instituição, Christian Sewing, disse na apresentação do balanço que “o retorno aos lucros mostra que o Deutsche Bank está no caminho certo”. “Agora vamos dar o próximo passo: vamos continuar a cortar custos em 2019 e, ao mesmo tempo, vamos investir precisamente no crescimento. Desta forma vamos aumentar substancialmente a nossa rentabilidade” nos próximos anos, acrescentou Sewing.

O Deutsche Bank tinha um rácio de capital máximo em 2018 em relação aos ativos ponderados pelo risco do Common Equity Tier 1 (CET1) de 13,6%. O CET1 é composto pelo capital básico, ações ordinárias e reservas, ao qual são adicionadas as ações preferenciais e os instrumentos híbridos.

O lucro líquido foi reduzido para 25.300 milhões de euros em 2018 (-4%), devido a medidas estratégicas para centrar as atenções nos negócios, à situação difícil dos mercados financeiros, especialmente no quarto trimestre, juntamente com notícias negativas específicas do Deutsche Bank, como a operação do Ministério Público na sede do banco no final de novembro.

Os problemas jurídicos do Deutsche Bank incluem consultas de reguladores sobre transações relacionadas ao Danske Bank, cuja filial da Estónia é suspeita de lavagem de dinheiro da antiga União Soviética. O banco diz, contudo, que “não há provas” que envolvam a empresa, mas recebeu várias solicitações de informação de órgãos reguladores e agências de todo o mundo e está a cooperar com as autoridades. Admite que processou pagamentos para o banco Danske, mas cessou a ligação em 2015, após identificar atividades suspeitas de alguns clientes.

As despesas não relacionadas com juros caíram no ano passado para 23.500 milhões de euros (-5%). Já o número de trabalhadores a tempo inteiro foi reduzido para 91.700 pessoas até o final de 2018, para que o Deutsche Bank cumprisse o seu objetivo, que era reduzir o número de funcionários abaixo de 93.000. As reduções de pessoal compensam a contratação em outras áreas de funções de crescimento e controle. As provisões para perdas de crédito mantiveram-se em 525 milhões de euros no ano passado.

O banco resolveu total ou parcialmente 19 dos 20 processos judiciais mais significativos que enfrenta. As provisões para processos judiciais totalizaram 1.200 milhões de euros no final de 2018, 40% menos que no ano anterior (2.000 milhões de euros).

O Deutsche Bank sofreu um prejuízo líquido atribuível de 425 milhões de euros no quarto trimestre, que é 82,3% menor em comparação com a perda de 2.400 milhões de euros no mesmo período de 2017.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deutsche Bank regressa aos lucros após três anos de prejuízos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião