Deutsche Bank regressa aos lucros após três anos de prejuízos

  • Lusa
  • 1 Fevereiro 2019

Em 2018, o banco alemão obteve um lucro líquido atribuído de 267 milhões de euros, após três anos de prejuízos, mas perdeu dinheiro nos últimos meses do ano e enfrenta uma série de problemas legais.

O Deutsche Bank obteve em 2018 um lucro líquido atribuído de 267 milhões de euros, após três anos de prejuízos, mas perdeu dinheiro nos últimos meses do ano e enfrenta uma série de problemas legais. O primeiro banco comercial privado da Alemanha, que em 2017 tinha perdido 751 milhões de euros, informou esta sexta-feira que o lucro antes dos impostos subiu para 1.300 milhões de euros em 2018 (+ 8%).

A administração do Deutsche Bank irá propor ao conselho fiscal a distribuição de um dividendo de 0,11 euros por ação pelo ano de 2018.

O presidente da instituição, Christian Sewing, disse na apresentação do balanço que “o retorno aos lucros mostra que o Deutsche Bank está no caminho certo”. “Agora vamos dar o próximo passo: vamos continuar a cortar custos em 2019 e, ao mesmo tempo, vamos investir precisamente no crescimento. Desta forma vamos aumentar substancialmente a nossa rentabilidade” nos próximos anos, acrescentou Sewing.

O Deutsche Bank tinha um rácio de capital máximo em 2018 em relação aos ativos ponderados pelo risco do Common Equity Tier 1 (CET1) de 13,6%. O CET1 é composto pelo capital básico, ações ordinárias e reservas, ao qual são adicionadas as ações preferenciais e os instrumentos híbridos.

O lucro líquido foi reduzido para 25.300 milhões de euros em 2018 (-4%), devido a medidas estratégicas para centrar as atenções nos negócios, à situação difícil dos mercados financeiros, especialmente no quarto trimestre, juntamente com notícias negativas específicas do Deutsche Bank, como a operação do Ministério Público na sede do banco no final de novembro.

Os problemas jurídicos do Deutsche Bank incluem consultas de reguladores sobre transações relacionadas ao Danske Bank, cuja filial da Estónia é suspeita de lavagem de dinheiro da antiga União Soviética. O banco diz, contudo, que “não há provas” que envolvam a empresa, mas recebeu várias solicitações de informação de órgãos reguladores e agências de todo o mundo e está a cooperar com as autoridades. Admite que processou pagamentos para o banco Danske, mas cessou a ligação em 2015, após identificar atividades suspeitas de alguns clientes.

As despesas não relacionadas com juros caíram no ano passado para 23.500 milhões de euros (-5%). Já o número de trabalhadores a tempo inteiro foi reduzido para 91.700 pessoas até o final de 2018, para que o Deutsche Bank cumprisse o seu objetivo, que era reduzir o número de funcionários abaixo de 93.000. As reduções de pessoal compensam a contratação em outras áreas de funções de crescimento e controle. As provisões para perdas de crédito mantiveram-se em 525 milhões de euros no ano passado.

O banco resolveu total ou parcialmente 19 dos 20 processos judiciais mais significativos que enfrenta. As provisões para processos judiciais totalizaram 1.200 milhões de euros no final de 2018, 40% menos que no ano anterior (2.000 milhões de euros).

O Deutsche Bank sofreu um prejuízo líquido atribuível de 425 milhões de euros no quarto trimestre, que é 82,3% menor em comparação com a perda de 2.400 milhões de euros no mesmo período de 2017.

Comentários ({{ total }})

Deutsche Bank regressa aos lucros após três anos de prejuízos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião