Marcas vão a jogo nos intervalos milionários da Super Bowl. São mais de 5 milhões de dólares por 30 segundos

As audiências caem, mas nem por isso as marcas deixam de pagar milhões por um espaço publicitário nos intervalos da Super Bowl. Bebidas e automóveis são o que mais se publicita neste evento.

Duas equipas, 100 milhões de espetadores, mais de cinco milhões de dólares por 30 segundos. Estes são os números da Super Bowl, a final da Liga Nacional de Futebol norte-americana, o maior evento desportivo em termos de audiência e também o espaço publicitário mais caro da televisão. Apesar de se verificar uma queda nas audiências, as marcas pagam cada vez mais por um anúncio nos intervalos.

Com a ascensão dos serviços de streaming e a disponibilização de conteúdos online, a televisão tem cada vez menos espectadores. Os eventos desportivos transmitidos ao vivo continuam a ser uma exceção, e motivam milhares de pessoas a ligar o televisor. Por esta razão, os marcas procuram assegurar a presença no intervalo deste evento com anúncios milionários. Cerca de um mês antes do jogo, a CBS indicou que já tem garantidas mais de 90% das slots para os intervalos, e já são conhecidos teasers para 53 anúncios.

A 53.ª edição da Super Bowl será disputada neste domingo, entre os New England Patriots e os Los Angeles Rams, no Mercedes-Benz Stadium, em Atlanta, Geórgia. No ano passado, 103,4 milhões de pessoas ligaram a televisão para ver o jogo, dos Patriots contra os Eagles, um valor abaixo dos anos anteriores, segundo os dados da Nielsen. Foi em 2015 que mais espetadores se juntaram para ver a Super Bowl, 114,4 milhões, numa final que opôs os Patriots aos Seattle Seahawks.

Foram transmitidos 49 minutos e 35 segundos de publicidade na edição de 2018, que geraram receitas de 414 milhões de dólares. O preço dos anúncios tem seguido uma trajetória ascendente mas, nos últimos anos, estabilizou pela faixa dos cinco milhões de dólares. Apesar de o custo de um anúncio de 30 segundos rondar esse valor desde 2016, a fasquia continua a ser elevada. Neste ano, a CBS está a cobrar entre 5,1 e 5,3 milhões de dólares por meio minuto de espaço publicitário, de acordo com a Variety (acesso livre/conteúdo em inglês).

Custo médio de um anúncio de 30 segundos na Super Bowl, em milhões de dólaresStatista

Aviso: estes anúncios podem provocar sede e fome

Bebidas, comida e automóveis é o que mais se publicita na Super Bowl. As marcas têm acesso a um público amplo, ou seja, esta é uma oportunidade de atingir várias faixas etárias. Produtos que podem ser consumidos enquanto os espetadores veem o jogo também é uma aposta forte, nomeadamente as cervejas e refrigerantes, e snacks como batatas fritas e amendoins.

Entre os grupos que mais apostam na publicidade durante este evento encontra-se a PepsiCo, que terá três anúncios para as marcas PepsiCola, Doritos e Bubly, e o grupo Anheuser-Busch, que comprou oito espaços publicitários, totalizando mais de cinco minutos, para sete produtos e cinco marcas, entre elas as conhecidas cervejas Budweiser e Stella Artois.

No setor automóvel, várias marcas não dispensam a oportunidade de publicitar os novos modelos para os fãs de Super Bowl. A lista inclui marcas como Audi, Kia, Hyundai, Toyota e Mercedes Benz, a fabricante alemã que dá nome ao estádio onde vai ter lugar a final. De destacar ainda a Disney, que não revelou quantos slots comprou, mas é esperada a transmissão de vários trailers de filmes a estrear neste ano.

Mas as despesas para as empresas não se ficam pelo slot nos intervalos do evento, mas com a produção e contratação das personalidades que entram no anúncio. A maioria tem convidados de peso, como a Stella Artois, que junta o Dude, personagem do BigLebowski interpretada por Jeff Bridges, e CarrieBradshaw, papel imortalizado por Sarah Jessica Parker no Sexo e a Cidade; ou a Pepsi, que figura Steve Carrel e Cardi B.

Por outro lado, existem também marcas que se excluem do alinhamento. A Coca-Cola é uma delas, deixando de marcar presença com um anúncio durante o evento, passados onze anos consecutivos. Mesmo assim, terá um anúncio de 60 segundos que passará antes do início da partida. Já a Skittles sai da televisão para apostar num formato diferente, um musical no Times Square com o ator Michael C. Hall.

Onde se pode ver a final?

Os principais canais norte-americanos fizeram um acordo com a NFL, em 2011, para alternarem entre si a transmissão do principal evento desportivo do país. Estende-se por nove anos, e dá este ano o pelouro à CBS. Nos próximos três anos termina o ciclo, com a Fox a transmitir em 2020, a NBC em 2021 e a CBS novamente em 2022.

Por Portugal, a transmissão do evento está a cargo da Eleven Sports. A plataforma de streaming vai dar a escolher aos espectadores se querem acompanhar a final com a narração original norte-americana da CBS, no canal Eleven Sports 2, ou com a narração em português, na Eleven Sports 1.

O canal promove também uma sessão de visionamento no bar desportivo The Couch, no Cais do Sodré. O evento arranca às 23 horas de Portugal, com um espetáculo antes do pontapé de saída.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcas vão a jogo nos intervalos milionários da Super Bowl. São mais de 5 milhões de dólares por 30 segundos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião