Como financiar uma empresa? Finance for Growth explica

Porto, Santarém, Aveiro, Leiria e Famalicão acolhem as sessões Finance Talks for Growth. A primeira arranca quarta-feira, em Leça da Palmeira, com o financiamento das PME em foco.

São pequenas e médias empresas (PME), mas querem crescer. Só com capital conseguem fazê-lo, pelo que garantir acesso a financiamento é fulcral. A banca é a fonte primordial, mas não tem de ser a única. É isso que o Finance Talks for Growth, iniciativa da AEP — Associação Empresarial de Portugal e a AIP –Associação Industrial Portuguesa, pretende explicar aos empresários em Leça da Palmeira, na primeira das cinco sessões (haverá outras em Santarém, Aveiro, Leiria e Vila Nova de Famalicão) deste projeto.

“Como o financiamento é essencial para as empresas, o Finance for Growth pretende otimizar a estrutura de capitais das sociedades nacionais”, explica Paulo Nunes de Almeida, presidente da AEP, em declarações ao ECO. Pretende “sensibilizar as empresas para acederem a (novas) formas de financiamento”, remata. E também ajudar as empresas a “comunicarem de forma mais transparente o seu modelo de negócio”.

Pretende-se sensibilizar as empresas para acederem a (novas) formas de financiamento e a comunicarem de forma mais transparente o seu modelo de negócio.

Paulo Nunes de Almeida

Presidente da Associação Empresarial de Portugal

A ideia, prossegue o presidente da AEP, é que “as empresas sejam capazes de diversificar as fontes de financiamento, bem como melhorar as condições de acesso ao seu financiamento, e neste caso a capitalização assume um papel importante para promoção de estruturas financeiras mais equilibradas, promovendo o acesso a um ecossistema de competitividade, inovação e crescimento sustentado”.

Nunes de Almeida recorda que “em Portugal o crédito bancário tradicional surge como a principal fonte de financiamento das empresas [numa proporção] muito superior ao que acontece noutros países. Essa é uma das vertentes deste programa”, a de apresentar alternativas. De resto, estas vertentes são cruciais “para uma retoma mais forte do investimento privado”, essencial para puxar pela economia nacional.

Na primeira sessão a realizar esta quarta-feira, 6 de fevereiro, em Leça da Palmeira (Porto), entre os oradores estará o presidente da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, o presidente do IFD, Henrique Cruz, e a presidente da Euronext Lisboa, Isabel Ucha. Entre os casos de sucesso, destaque para a Frulact, a Bial e a António Meireles. A fechar a sessão deverá estar o ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira.

O programa não se esgota nas apresentações que serão feitas. Para além destas talks (informação), onde serão apresentados casos de sucesso, mostrando as melhores práticas de gestão empresarial, capazes de acautelar a rentabilidade do investimento e assegurar uma adequada gestão de risco, haverá sessions (conhecimento), labs (desenvolvimento de estratégias, modelos e práticas), meetings (networking) e events (notoriedade mediática).

O projeto Finance for Growth, é uma iniciativa lançada em 2018 pela AEP e pela AIP, cofinanciado pelo Compete 2020, através do Portugal 2020 e do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional e contando para a sua execução com o apoio da Caixa Geral de Depósitos, da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) e da Euronext, no âmbito do programa Capitalizar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como financiar uma empresa? Finance for Growth explica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião