Após quatro meses em queda, vendas de automóveis arrancam o ano a crescer 10%

Em janeiro foram matriculados quase 20 mil automóveis, representando uma subida de 9,4% face ao mesmo mês do ano passado. Destaque para os ligeiros de mercadorias que dispararam 20%.

As vendas de automóveis iniciaram o ano de forma positiva. Após quatro meses de queda, o mercado cresceu quase 10% face a janeiro do ano passado e foram vendidos quase 20 mil automóveis, de acordo com os dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP). Em destaque estão os ligeiros de mercadorias que dispararam mais de 20%.

Foram matriculados 19.125 automóveis em janeiro, mais 9,4% do que os 17.480 registados no ano passado, refere a ACAP. Os ligeiros de passageiros totalizaram 15.684 veículos, mais 8,3% do que em período homólogo.

Os automóveis mais vendidos foram os da Peugeot, com um total de 1.784 unidades, representando um aumento de 13,6% face a janeiro do ano passado. Atrás aparece a Renault com 1.330 automóveis e a Mercedes-Benz com 1.324, contudo, estes observaram descidas de 9,9% e 6,6%, respetivamente. A Dacia, da Renault, registou uma quebra de 30%.

Entre as marcas mais vendidas, os maiores aumentos foram apresentados pela Citröen, com um aumento de 28,5%, mas também a Seat, que viu as vendas aumentarem quase 40%. A Volkswagen, que terminou 2018 na nona posição — estava em terceiro lugar, em 2017 –, recuperou, apresentando um aumento de vendas de 11,5%.

Ainda dentro da categoria de ligeiros, o destaque vai para os ligeiros de mercadorias que, embora em menor quantidade (2.915), observaram um crescimento de 20,8%. Aqui os Renault, os Peugeot e os Citroën foram os mais vendidos, refere a ACAP.

A contrabalançar estes resultados estiveram os veículos pesados que diminuíram 9,2% para 526 unidades. Esta queda deveu-se ao decréscimo de pesados de mercadorias (12,1%), enquanto os de passageiros subiram 8,4%.

(Notícia atualizada às 17h58 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Após quatro meses em queda, vendas de automóveis arrancam o ano a crescer 10%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião