Polónia pode recuar no fecho dos supermercados ao domingo. Jerónimo Martins acelera 4%

O governo polaco está a avaliar os efeitos da lei que prevê que os supermercados fechem ao domingo. As ações da retalhista portuguesa que detém os supermercados Biedronka aceleram em bolsa.

A lei que prevê o fecho dos supermercados na Polónia pode vir a ser revista. Essa possibilidade animou o desempenho bolsista da Jerónimo Martins nesta sessão, com as respetivas ações a valorizarem mais de 4%, para máximos de mais de quatro meses.

Segundo a Bloomberg, nesta terça-feira, o primeiro-ministro polaco, Mateus Morawiecki, avançou que o governo que lidera está a avaliar os efeitos da lei que proíbe o comércio ao domingo, dando conta que uma decisão será anunciada “num futuro próximo”.

As ações da Jerónimo Martins reagiram em alta a essa possibilidade, já que a retalhista liderada por Pedro Soares dos Santos tem na Polónia o seu principal mercado, através da cadeia Biedronka. Aliás, a cadeia polaca é líder no mercado polaco. O título valorizou 4,46%, para os 13,01 euros, um máximo desde 19 de setembro.

Em causa está a lei que entrou em vigor em março do ano passado e que proibiu a abertura das superfícies comerciais durante dois domingos por mês. Em janeiro, a imposição tornou-se ainda mais restritiva, permitindo apenas a abertura dos estabelecimentos um domingo por mês.

O mercado polaco é muito importante para a Jerónimo Martins. No ano passado, as vendas da Biedronka atingiram os 11,691 mil milhões de euros, um crescimento de 5,6% face a 2017. O mercado polaco tem um peso de 67,4% nas contas do grupo.

Outro fator que poderá ajudar a justificar o avanço das ações da dona do Pingo Doce prende-se com o facto de a principal acionista do grupo espanhol DIA, que é controlada pelo milionário russo Mikhail Fridman, ter anunciado que vai lançar uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a dona do Minipreço. A notícia aumenta o ângulo especulativo dentro do setor.

Jerónimo Martins acelera na bolsa

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Polónia pode recuar no fecho dos supermercados ao domingo. Jerónimo Martins acelera 4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião