Antigo diretor-geral de Energia identifica “rendas excessivas” em diversas áreas

  • Lusa
  • 6 Fevereiro 2019

Existem "rendas excessivas" em várias áreas da produção elétrica, reconheceu esta quarta-feira o antigo diretor-geral de Energia Pedro Cabral.

O antigo diretor-geral de Energia Pedro Cabral afirmou, esta quarta-feira, que existem rendas excessivas “em diversas áreas da produção elétrica”, precisando que se estendem aos CMEC, Contratos de Aquisição de Energia (CAE) e à Produção em Regime Especial (PRE).

Pedro Cabral, que liderou a Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) entre agosto de 2012 e junho de 2014, depois de um ano como assessor dos secretários de Estado da Energia Henrique Gomes e Artur Trindade, no Governo de Passos Coelho, está a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade.

Questionado pelo deputado do CDS-PP Hélder Amaral sobre a existência de rendas excessivas, Pedro Cabral começou por esclarecer “o conceito”, que “tem a ver com a comparação do custo de capital que as empresas aplicaram e a remuneração efetiva que estão a ter”, adiantando desde logo que, “de acordo com este princípio e com o estudo que se desenvolveu, aliás mais do que um, identificaram-se realmente rendas excessivas”.

Em diversas áreas do setor da produção [elétrica] as rentabilidades efetivas eram superiores ao custo de capital associado ao desenvolvimento de cada projeto, desde logo os CMEC [Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual], nos CAE, nas PRE, num conjunto de setores da produção que foram estudados e que se concluiu haver uma diferença diferente de zero”, declarou Pedro Cabral, que entretanto regressou à REN – Redes Energéticas Nacionais, na qual trabalha na área da Agenda Europeia de Energia.

O antigo diretor-geral de Energia referiu o “preconceito” e o “desconforto de algumas pessoas inquiridas em usar o termo” rendas excessivas e propôs como alternativa “remunerações ineficientes”.

Em relação aos CMEC, Pedro Cabral admitiu a existência de aspetos que deviam ter sido “acautelados”, realçando que não foi por falta de avisos, nomeadamente do regulador do setor: “O problema dos CMEC não foi ‘a posteriori’. Houve oportunidade e o diploma [decreto-lei 240/2004] foi objeto de análises antes de ser publicado, várias entidades se pronunciaram”.

“Tive conhecimento do parecer da ERSE [Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos] sobre o projeto de diploma e que identificava os temas que deviam ser acautelados. Houve aspetos que podiam ter sido acautelados, porque foram sinalizados antes da publicação do decreto-lei”, sublinhou.

Já em resposta ao deputado comunista Bruno Dias, Pedro Cabral considerou que “houve excessos no incentivo a tecnologias”, como o que foi dado às eólicas. “Foi um incentivo a tecnologias que não tinham atingido a maturidade necessária para um país como Portugal suportar”, observou.

“Temos um custo médio de remuneração da eólica em torno dos 100 euros MWh, apesar do contributo de potência que já entrou no regime de remuneração mais baixa, ao nível dos 70 euros MWh”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Antigo diretor-geral de Energia identifica “rendas excessivas” em diversas áreas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião