Com um Brexit sem acordo, “arriscamos uma catástrofe económica e humana”, diz Tajani

  • Lusa
  • 7 Fevereiro 2019

Caso o Brexit aconteça sem acordo, o UE e o Reino Unido arriscam-se a “uma catástrofe económica e humana”, disse o presidente do Parlamento Europeu.

O presidente do Parlamento Europeu considerou esta quinta-feira que União Europeia (UE) e Reino Unido se arriscam a “uma catástrofe económica e humana” caso o Brexit aconteça sem acordo, declarando a disponibilidade da Assembleia Europeia para renegociar a declaração política.

“Queremos agradecer a visita da primeira-ministra May. Foi uma reunião produtiva, mas estamos muito preocupados. Arriscamos uma catástrofe económica e humana, esta é a realidade no caso de um Brexit sem acordo. Uma saída desordenada é uma solução muito perigosa”, assumiu Antonio Tajani.

Na sua comparência diante dos meios de comunicação em Bruxelas, depois de ter recebido a primeira-ministra britânica, Theresa May, o presidente do Parlamento Europeu (PE) enalteceu que a assembleia europeia apoia o acordo de saída já fechado entre Bruxelas e Londres, por ser a única solução que garante a saída ordenada do Reino Unido da União Europeia (UE), a paz na ilha da Irlanda e a integridade do mercado único.

“Estamos abertos a ser mais ambiciosos na nossa relação futura, incluindo no tema da fronteira irlandesa, caso o Reino Unido esteja disposto a mudar algumas das suas linhas vermelhas”, ressalvou, sem adiantar mais detalhes.

Coube ao coordenador do Parlamento Europeu para o Brexit, Guy Verhofstadt, detalhar a proposta do Parlamento, revelando que a Assembleia Europeia está aberta a tornar a declaração política da relação futura entre a UE e o Reino Unido, que acompanha o texto do acordo de saída, mais “ambiciosa, vinculativa e precisa”, inclusive na cláusula do mecanismo de salvaguarda para a fronteira irlandesa, “explicando claramente que aquele é uma segurança e nada mais do que isso”.

“A senhora May assegurou-nos que haverá um backstop, que não está em cima da mesa remover o backstop, porque este é absolutamente necessário para preservar o Acordo de Sexta-feira Santa, a integridade do mercado único e também o processo de paz na Irlanda. Para nós, um backstop a toda a prova é essencial e se há um problema com o backstop como está no acordo de saída, a nossa proposta é tentar resolver o problema na declaração política”, esclareceu.

Guy Verhofstadt contou ainda que o PE reiterou que não pode haver um acordo com Londres no clima de incerteza política instalado no Reino Unido, no qual as maiorias se baseiam “em seis, sete, oito, nove votos”.

“A cooperação entre os partidos é o caminho a seguir. Daí acolhermos com agrado que Jeremy Corbyn tenha escrito esta quinta-feira a May para oferecer uma solução interpartidária para o Brexit. É importante que isto leve a uma posição no Reino Unido que tenha uma maioria mais ampla possível para podermos concluir esta negociação”, realçou.

Segundo o político belga, um não acordo não é uma opção para o PE, “é um desastre para os dois lados”. “É uma irresponsabilidade que alguns políticos no Reino Unido estejam a apostar e a preferir um não acordo. Esta é posição que expressamos claramente em nome do PE”, concluiu.

No seu périplo por Bruxelas, Theresa May não conseguiu demover, até ao momento, nenhum dos líderes europeus, que reiteraram a sua indisponibilidade para renegociar o acordo de saída do Reino Unido do bloco comunitário, mas ainda assim abriram a porta a uma negociação dos termos da declaração política que regerá a futura relação entre as partes, nomeadamente no que diz respeito ao mecanismo de salvaguarda para a fronteira irlandesa.

O Brexit, agendado para 29 de março, encontra-se num impasse após o parlamento britânico ter chumbado, em 15 de janeiro, o acordo do Brexit fechado entre Londres e Bruxelas em novembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com um Brexit sem acordo, “arriscamos uma catástrofe económica e humana”, diz Tajani

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião