Uber em alerta com falta de motoristas registados

  • ECO
  • 8 Fevereiro 2019

Dos 6.500 motoristas que a Uber diz ter, apenas 5% estavam inscritos no IMT. A partir de março, quando este registo passa a ser obrigatório, as plataformas vão bloquear os motoristas que não o tenham.

O número de motoristas registados pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) está a deixar a Uber em alerta. Isto porque dos 6.500 funcionários que a empresa tem a conduzir os automóveis, apenas 349 estão inscritos no sistema, avança o Público (acesso pago). Os números são alarmantes porque a partir de 1 de março, quem não tiver registo de motorista não poderá conduzir este tipo de veículos.

No final de janeiro, eram apenas 349 os motoristas registados no IMT, responsável por atribuir estes registos, e tinham dado entrada 749 pedidos. Faltavam ainda analisar os casos de 400 motoristas. Mas, olhando para os 6.500 funcionários que a Uber tem de transporte de passageiros em veículos descaracterizados (TVDE), há aqui uma quebra evidente. Apenas 5,3% estavam inscritos no IMT, um valor que aumenta para 11,5% se forem tidos em conta os pedidos que deram entrada.

A Uber mostra-se preocupada, diz o Público. E com razão. É que, a partir de 1 de março, a nova lei dita que é obrigatório ter um registo de motorista no IMT para conduzir estes TVDE. Questionada pelo jornal, fonte oficial da empresa referiu que a partir dessa data, “todas as plataformas estão obrigadas a bloquear os motoristas que não tenham obtido o registo de motorista TVDE junto do IMT”.

Ao nível de todos os operadores de TVDE, até 31 de janeiro foram registados 2.013 pedidos de motoristas, dos quais 1.727 tinham sido deferidos. É em Lisboa que o número é maior, com um peso de 61% do total de pedidos, seguindo-se o Porto (15%), Setúbal (12%), Faro (7%) e Braga (1%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber em alerta com falta de motoristas registados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião