Uber Eats cria primeiro restaurante virtual em Portugal. Savage tem assinatura do chef Olivier

O Savage é o primeiro restaurante virtual em Portugal e tem a assinatura do chef português Olivier da Costa. Não tem um espaço físico e só está presente na plataforma. A moda nasceu lá fora.

O chef português Olivier da Costa acaba de lançar um restaurante virtual na aplicação de entrega de refeições Uber Eats, importando para Portugal um conceito que está a ganhar grande popularidade noutros mercados em que a aplicação está presente. O restaurante chama-se Savage e não tem um espaço físico: só existe na plataforma.

“Olivier juntou-se ao Uber Eats, a aplicação de entrega de refeições da Uber, para criar o primeiro restaurante virtual em Portugal. O novo Savage está disponível exclusivamente através da aplicação, com um menu de receitas descontraídas e saborosas que incluem opções como burritos, tacos e sushi rolls“, revelou a Uber Eats num comunicado.

O restaurante está apenas disponível para utilizadores “no centro de Lisboa, entre as 12h e as 24h de domingo a quinta-feira, e das 12h às 2h à sexta-feira e ao sábado”, de acordo com a mesma nota. Não se sabe se os promotores tencionam expandir o restaurante a outras zonas do país onde a aplicação já tem cobertura.

Em comunicado, Rui Bento, diretor-geral da Uber Eats para o mercado do sul da Europa, mostra-se satisfeito com o lançamento deste primeiro restaurante virtual. “Continuaremos a trabalhar para trazer novas opções e maior diversidade para servirmos os nossos utilizadores, para todos os gostos e ocasiões”, afirma.

A ideia por detrás dos restaurantes virtuais não é nova. O conceito ganhou tração durante o ano passado e tem vindo a ganhar cada vez mais popularidade. Permite às empresas de restauração eliminarem a despesa com a manutenção de um espaço aberto ao público.

(Notícia atualizada às 11h22 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber Eats cria primeiro restaurante virtual em Portugal. Savage tem assinatura do chef Olivier

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião