Economia do Reino Unido cresceu ao ritmo mais baixo desde 2012

  • Lusa e Guilherme Monteiro
  • 11 Fevereiro 2019

O Produto Interno Bruto do Reino Unido cresceu 1,4% em 2018, no que é um abrandamento em relação ao ano anterior. No último trimestre do ano expandiu-se apenas 0,2%.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido cresceu 1,4% em 2018, contra 1,8% em 2017, o ritmo mais baixo desde 2012, informou esta segunda-feira a agência nacional de estatística britânica (ONS nas siglas em inglês).

A ONS (Office for National Statistics) indicou que o PIB se expandiu apenas 0,2% no último trimestre de 2018, menos que o esperado devido ao recuo na construção e da produção industrial, como consequência do processo do Brexit.

Apesar dos números, o ministro britânico do Comércio, Liam Fox, descartou o Brexit como a única justificação para o abrandamento da economia do país. O responsável lembrou, por exemplo, que muitas economias europeias foram também afetadas pela desaceleração do crescimento da economia chinesa.

As declarações foram feitas em Berna, na capital da Suíça, onde o ministro britânico esteve reunido com o ministro suíço da Economia para assinar um acordo comercial de continuidade e garantir, dessa forma, que as relações comerciais entre os dois países se vão manter caso o Reino Unido abandone a União Europeia a 29 de março sem um acordo.

Liam Fox lembrou que cerca de 12% do comércio britânico se faz ao abrigo de acordos de livre comércio estabelecidos pela União Europeia, sendo que a Suíça representa um quinto dessa percentagem.

O ministro britânico do Comércio já anteriormente havia dito que Londres conseguia reverter todos os acordos comerciais atuais que se estabelecem através da União Europeia. No entanto, até agora, conseguiu apenas concluir acordos com o Chile, as Ilhas Faroé e a Suíça.

“Estamos confiantes de que poderemos manter uma proporção muito alta dessa continuidade do comércio. É claro que também é sempre dependente dos outros parceiros que queiram manter essa continuidade”, salientou.

Face aos dados esta segunda-feira conhecidos de desaceleração económica, a libra esterlina depreciou-se 0,4% face ao dólar, para 1,28 dólares, e 0,1% face ao euro, para 1,14 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia do Reino Unido cresceu ao ritmo mais baixo desde 2012

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião