S&P: Angola deverá crescer 2% este ano depois de recessão de 1% em 2018

  • Lusa
  • 12 Fevereiro 2019

A agência de notação financeira Standard & Poor's considera que a economia de Angola vai crescer 2% este ano, acelerando depois para uma média de 3%, ultrapassando a recessão de 1% em 2018.

A agência de notação financeira Standard & Poor’s considera que a economia de Angola vai crescer 2% este ano, acelerando depois para uma média de 3%, ultrapassando a recessão de 1% em 2018, que durava desde 2016.

“Estimamos que a atividade económica se tenha contraído 1% em 2018, motivada pelo declínio da produção de petróleo, depois de contrações de 2,6% em 2016 e de 0,1% em 2017”, lê-se no relatório que acompanha a divulgação da decisão da S&P de piorar a Perspetiva de Evolução da economia de Estável para Negativa, mantendo o rating abaixo do nível de recomendação de investimento.

A decisão é justificada principalmente pela significativa subida dos níveis de dívida pública de Angola nos últimos anos, não só pelo endividamento propriamente dito, que só em 2018 chegou a 12 mil milhões de dólares, mas também pela desvalorização do kwanza, o que teve um impacto direto no nível de dívida pública em função do PIB.

“O kwanza caiu 46% em 2018 no seguimento da liberalização de janeiro desse ano da taxa de câmbio e consequente depreciação, e incorporámos nas nossas previsões uma queda adicional de 7% este ano, o que deverá provavelmente manter a inflação relativamente alta”, nos 15% este ano, lê-se no documento.

Na análise, a S&P estima que as reformas lançadas pelo Presidente João Lourenço continuem, principalmente depois do acordo com o Fundo Monetário Internacional, o que deverá “sustentar uma aceleração do crescimento económico para 3% a médio prazo”.

Sobre o petróleo, que “continua a ter um papel muito dominante na economia de Angola”, os analistas da S&P liderados por Ravi Bathia assumem que o preço médio por barril descerá para 55 dólares neste e no próximo ano, o que compara com um valor à volta dos 72 dólares no ano passado, o que prejudica as finanças de Angola, que dependem do crude para 25% do PIB, 95% das exportações e 65% da receita fiscal no ano passado.

“A produção petrolífera caiu cerca de 8% para 1,5 milhões de baris por dia, no ano passado, comparado com os 1,6 milhões de 2017, devido a alguns problemas técnicos e à maturação dos poços petrolíferos, e o setor não petrolífero também cresceu menos do que o esperado”, nota a S&P.

No relatório, a agência de rating anuncia ter revisto em baixa a Perspetiva de Evolução da economia de Angola, de Estável para Negativa, devido ao “significativo aumento” da dívida pública, e manteve o ‘rating’ em ‘lixo’.

“A dívida pública de Angola em percentagem do PIB aumentou significativamente em 2018, em parte devido ao impacto da forte depreciação do kwanza no volume de dívida pública em moeda estrangeira”, lê-se na nota que acompanha a divulgação da decisão, que mostra uma subida da dívida pública para os 87% em 2018, descendo ligeiramente para 85,7% este ano.

“Estamos a rever a Previsão de Evolução da economia de Estável para Negativa e mantemos o ‘rating’ da dívida soberana de longo e curto prazo em B- e B; a Previsão de Evolução negativa reflete a possibilidade de uma descida [do ‘rating’] se o alto peso da dívida pública tornar as necessidades de financiamento insustentáveis, ou se as pressões orçamentais ou externas levarem a défices gémeos mais prolongados que o previsto”, dizem os analistas da S&P.

Reformas e FMI só vão ajudar Angola a médio prazo

O analista da Standard & Poor’s que segue Angola disse que o impacto do programa com o FMI só vai ter efeito a médio prazo, explicando que agora a economia enfrenta dificuldades que justificam uma Previsão de Evolução Negativa.

“Angola tem problemas sistemáticos e que tiveram um forte impacto no ano passado, como o preço baixo do petróleo, as dificuldades de produção dos blocos petrolíferos, tudo desaguou nesta grande recessão, mas é verdade que, ao mesmo tempo, há uma mudança positiva que equilibra estes fatores negativos, mas cujos efeitos só vão sentir-se mais à frente, dentro de alguns anos”, explicou Ravi Bathia.

Em declarações à Lusa no dia seguinte a esta agência de rating ter piorado a Perspetiva de Evolução da economia, de Estável para Negativa, Ravi Bathia sublinhou que a acumulação de dívida pública é um dos maiores problemas do país.

“Neste momento os fatores negativos tiveram um impacto muito forte, e com a liberalização da taxa de câmbio, já vimos um grande aumento da dívida pública em percentagem do PIB, e como muita dessa dívida é em moeda externa, os rácios dispararam, e o nível é muito alto”, disse o analista responsável por Angola, que é também um dos diretores do departamento de análise de crédito soberano.

Na segunda-feira, a S&P anunciou que tinha baixado o ‘Outlook’ de Angola, mantendo o país abaixo do nível de recomendação de investimento, ou junk, como é geralmente conhecido.

Questionado sobre a razão de esperar um desenvolvimento positivo na economia nos próximos anos e, ao mesmo tempo, descer a Perspetiva de Evolução da economia, Bathia explicou que é uma questão de tempo e acrescentou que as medidas negociadas com o Fundo Monetário Internacional ao abrigo do programa de ajuda financeira no valor de 3,7 mil milhões de dólares vão demorar tempo a surtir efeito.

“Há um ímpeto muito positivo de reformas, como na área da concorrência, separar a Sonangol das concessões petrolíferas, o que é um desenvolvimento positivo, e o FMI deverá ajudar nas reformas positivas, ajudando a médio prazo, mas infelizmente Angola foi muito atingida pela descida dos preços do petróleo e pela falta de aposta e investimento nos blocos petrolíferos”, disse o analista na entrevista telefónica à Lusa.

“Em resumo, volume de dívida disparou”, concluiu o analista, sublinhando que só as dívidas atrasadas representam 4% do PIB, e alertando para a existência de uma dívida de 2,1 mil milhões de dólares que Angola deve a um banco comercial, mas sobre a qual não existe informação disponível, “talvez por haver um acordo de confidencialidade”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

S&P: Angola deverá crescer 2% este ano depois de recessão de 1% em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião