Juros da casa sobem para máximos de agosto de 2016

A taxa de juro implícita no crédito da casa acelerou em janeiro pelo segundo mês consecutivo. Nos contratos mais recentes, a tendência foi contrária, com a taxa média a baixar pelo segundo mês.

Os juros do crédito da casa voltaram a acelerar no primeiro mês de 2019. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de juro média do crédito à habitação fixou-se em 1,054%, a fasquia mais elevada em quase dois aos e meio.

“A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação aumentou 0,1 pontos base em janeiro de 2019 quando comparado com o mês anterior, para 1,054%”, dá nota o organismo público de estatísticas. Trata-se do segundo mês consecutivo de subidas, após uma queda em novembro, com a taxa de juro média da globalidade dos contratos de crédito à habitação a fixar-se no valor mais elevado desde agosto de 2016.

“Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro desceu para 1,282%, menos 14,2 pontos base do que o observado em dezembro de 2018″, especifica o INE relativamente aos contratos celebrados no curto prazo. Trata-se do segundo mês seguido de quebras com a taxa de juro média a fixar-se no patamar mais baixo do histórico do INE que remonta ao início de 2009.

Juros implícitos da casa em alta

Fonte: INE

Já no que respeita ao valor da prestação média vencida não ocorreu qualquer alteração para a globalidade dos crédito no primeiro mês do ano. “Considerando a totalidade dos contratos, o valor médio da prestação vencida manteve-se em 244 euros. Deste valor, 46 euros (19%) correspondem a pagamento de juros e 198 euros (81%) a capital amortizado”, especifica o INE.

No que diz respeito aos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação diminuiu 23 euros, em janeiro, para 309 euros. Em dezembro, tinha-se fixado em 332 euros.

Por sua vez, o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos subiu 128 euros face ao mês anterior, fixando-se em 52.504 euros, um máximo desde julho de 2015. Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio do capital em dívida baixou 1.358 euros para 98.235 euros.

(Notícia atualizada às 11h42 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Juros da casa sobem para máximos de agosto de 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião