Sindicato dos correios quer renacionalização urgente dos CTT

  • Lusa
  • 18 Fevereiro 2019

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações criticou o Governo por não ter "coragem política" para avançar com a renacionalização dos CTT

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT) apela à renacionalização “urgente” dos CTT como “solução” para um serviço de “qualidade e universal”, de acordo com um comunicado enviado esta segunda-feira à imprensa.

“É urgente a renacionalização dos CTT”, pode ler-se no comunicado, que defende a “reversão da privatização dos CTT” como “solução para haver um serviço postal de qualidade e universal”. É que “a maioria dos portugueses e muitos dos seus representantes sabem que a privatização dos CTT foi um erro”, considera o sindicato.

O SNTCT remete a tomada de decisões para “o Governo e o partido que o suporta [PS]”, mas considera que ambos estão a “arranjar desculpas, a empatar, a chutar para o regulador [Anacom], a enganar os portugueses, com medo de afrontar os interesses financeiros que dominam os CTT”. O sindicato diz que, “para o Governo, o capital é quem mais ordena mesmo no que diz respeito à destruição dos serviços públicos”, e acusa o ex-ministro das Infraestruturas Pedro Marques, o primeiro-ministro António Costa e o Governo de não terem “coragem política de tomar posição”.

De resto, de acordo com o SNTCT, “o Estado já está a financiar os CTT”, através da passagem das estações de correio para as juntas de freguesia, “por isso, é falacioso que o Governo diga que não interfere” na empresa, por ser privada. “Também a TAP era, também a banca era, também a REN é e o Governo está a estudar a possibilidade de entrar no seu capital”, acrescentou o SNTCT.

O sindicato argumenta que “no último ano foram destruídas (encerradas) 84 estações de correios”, que “já há 38 municípios sem estações de correios”, e que “os CTT querem alargar este número para 48”. “Todos, populações, comércio e empresas, têm denunciado a falta de qualidade e o atraso com que o serviço de correios é prestado”, afirmam os representantes dos trabalhadores.

O sindicato apresentou, no comunicado, valores das contas da empresa entre 2013 e 2017, com o lucro a totalizar 300,2 milhões de euros e a distribuição de dividendos 311 milhões de euros, referindo que a qualidade do serviço foi progressivamente piorando. “O Estado deixou de receber 311 milhões de euros, os CTT já só valem 466 milhões de euros e o serviço postal está completamente degradado e cada vez menos universal. A renacionalização dos CTT custaria 10% do que o Estado suporta com o BES/Novo Banco”, conclui o SNTCT.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicato dos correios quer renacionalização urgente dos CTT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião