“Efeito janeiro” faz desemprego tocar máximos de abril de 2018

Cumpriu-se a tradição. No primeiro mês do ano, o número de desempregados inscritos no IEFP aumentou 3,5% para 350.772 indivíduos. Em termos homólogos, registou-se um recuo de quase 16%.

No primeiro mês de 2019, o número de desempregados inscritos nos Serviços de Emprego do Continente e das Regiões Autónomas subiu para 350.772. Tal valor representa um aumento em cadeia de 3,5%, o que se explica pelo chamado “efeito janeiro”, isto é, pela contração do emprego depois do dinâmico período do Natal. Por outro lado, na comparação homóloga, registou-se um recuo de 15,6%.

“O total de desempregados registados no país foi inferior ao verificado no mesmo mês do 2018 e superior ao mês anterior”, explica o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), na nota mensal do mercado de emprego relativa a janeiro.

No mês de dezembro, estavam inscritos 339.035 desempregados, número que subiu para 350.772 indivíduos no primeiro mês de 2019. É preciso recuar até abril de 2018 para encontrar um número superior. Nessa ocasião, estavam inscritos 376.014 desempregados.

Ainda assim, é importante sublinhar o aumento em cadeia em causa segue o padrão observado habitualmente em janeiro, tendo sido registadas subidas semelhantes todos os anos das últimas três décadas (em média de 3,4%). Isto porque os últimos meses do ano costumam ficar marcados pelo aumento do emprego à boleia das comemorações natalícias, registando-se um recuo desse tipo de ofertas no início do ano seguinte.

Já no que diz respeito à evolução homóloga, o IEFP destaca que foram sobretudo os homens, os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos, os que inscritos há um ano ou mais, os que procuravam novos empregos e os que aqueles com apenas o 1.º ciclo básico como habilitação escolar que mais contribuíram para o recuo referido. Já quanto aos grupos profissionais que registaram um maior recuo do desemprego, destaque para os “trabalhadores não qualificados”.

As ofertas de emprego por satisfazer, no final de janeiro de 2019, totalizavam 14.293 nos Serviços de Emprego de todo o país. Este número corresponde a uma redução anual (-2.673; -15,8%) e a um aumento mensal (+1.977; +16,1%) das ofertas em ficheiro”, reforça, por fim, o IEFP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Efeito janeiro” faz desemprego tocar máximos de abril de 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião