Rendimento básico na Finlândia falha. Não puxou pelo emprego

O teste ao rendimento básico incondicional na Finlândia concluiu que o pagamento mensal da prestação, durante o primeiro ano do piloto, não estimulou os cidadãos a encontrarem emprego.

A Finlândia testou o rendimento básico incondicional para explorar alternativas ao modelo tradicional de segurança social.Pexels

O rendimento básico incondicional (RBI) falha o objetivo de estimular o emprego. A conclusão faz parte dos resultados preliminares do teste feito na Finlândia, através do qual 2.000 cidadãos desempregados escolhidos aleatoriamente receberam, durante dois anos, um subsídio mensal de 560 euros, sem condições, independentemente de encontrarem ou não trabalho.

“O impacto [do RBI] no emprego parece ter sido marginal no decurso do primeiro ano do teste”, disse o ministro finlandês da Saúde, Pirkko Matilla, citado pela Reuters. A conclusão ganha relevância numa altura em que cada vez mais vozes na Europa defendem este paradigma económico (que, apesar de não ser novo, só ganhou expressão internacional nos últimos anos).

O conceito do RBI dita que o Estado pague a todos os cidadãos um rendimento básico, sem quaisquer condições, que dê liberdade às pessoas de escolherem ou não trabalhar. Acreditava-se, até aqui, que, ao auferirem de um subsídio público deste tipo, os cidadãos teriam mais propensão e motivação na procura de emprego, como forma de aumentarem esse mesmo rendimento. Mas isso não aconteceu, a avaliar pelo primeiro ano do teste.

A Finlândia realizou o teste para tentar encontrar uma alternativa ao modelo tradicional de funcionamento do sistema de segurança social. Quando arrancou o programa piloto, o objetivo do Governo era o de expandir a solução no final. Apesar da intenção, o país acabou por impor sanções, no ano passado, aos desempregados que optem por não trabalhar enquanto recebem benefícios estatais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rendimento básico na Finlândia falha. Não puxou pelo emprego

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião