Lacerda não faz futurologia, mas espera que “a maioria do Parlamento vote contra” a nacionalização

Ainda que diga que não sabe o que vai acontecer no Parlamento, o presidente dos CTT afirma estar confiante que a maioria vote "contra essas iniciativas" de nacionalização da empresa.

A nacionalização dos CTT volta, esta quinta-feira, a estar na ordem do dia, sendo tema de debate na Assembleia da República. Francisco de Lacerda, presidente dos CTT, afirmou, acredita que “a maioria do Parlamento vote contra essas iniciativas”. Além disso, considera que não é o facto de ser público ou privado que resolve o que quer que seja.

“Não posso estar aqui a fazer futurologia sobre o que os deputados vão votar amanhã (…) Mas, tenho uma expectativa que a maioria do Parlamento vote contra essas iniciativas amanhã”, afirmou Lacerda, acrescentando que se baseia nas declarações que ouviu sobre este assunto, “a começar pelas do primeiro-ministro”.

Francisco de Lacerda disse que é preciso separar dois tipos de temas no que diz respeito à nacionalização. Em primeiro lugar, os temas ideológicos, “e sobre isso, cada um vota de acordo com a sua ideologia e eu não tenho poder de voto no Parlamento”, referiu.

E, em segundo lugar, “os temas mais objetivos”, nomeadamente o encerramento de lojas e o da qualidade do serviço. Sobre as lojas, Lacerda salientou que os CTT estão preocupados com as pessoas. “Nós não estamos a abandonar as populações, muito pelo contrário”. Por outro lado, sobre a qualidade do serviço, o presidente dos CTT afirmou que não existe nenhum problema.

“Nós não temos um problema gravíssimo de qualidade de serviço, nem ao nível do tempo de atendimento em loja, nem na distribuição do correio”, disse. “De acordo com os nossos indicadores, tanto um tema como outro mostram uma evolução positiva”, acrescentou.

“Em primeiro lugar, os grandes pressupostos não se aplicam e, em segundo, eu não considero que seja a propriedade de ser público ou privado que resolve ou não resolve estes assuntos“, afirmou, acrescentando que o que resolve estes assuntos é, sim, “cumprir ou não cumprir o contrato de serviço público através da concessão que existe”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lacerda não faz futurologia, mas espera que “a maioria do Parlamento vote contra” a nacionalização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião