Lacerda não faz futurologia, mas espera que “a maioria do Parlamento vote contra” a nacionalização

Ainda que diga que não sabe o que vai acontecer no Parlamento, o presidente dos CTT afirma estar confiante que a maioria vote "contra essas iniciativas" de nacionalização da empresa.

A nacionalização dos CTT volta, esta quinta-feira, a estar na ordem do dia, sendo tema de debate na Assembleia da República. Francisco de Lacerda, presidente dos CTT, afirmou, acredita que “a maioria do Parlamento vote contra essas iniciativas”. Além disso, considera que não é o facto de ser público ou privado que resolve o que quer que seja.

“Não posso estar aqui a fazer futurologia sobre o que os deputados vão votar amanhã (…) Mas, tenho uma expectativa que a maioria do Parlamento vote contra essas iniciativas amanhã”, afirmou Lacerda, acrescentando que se baseia nas declarações que ouviu sobre este assunto, “a começar pelas do primeiro-ministro”.

Francisco de Lacerda disse que é preciso separar dois tipos de temas no que diz respeito à nacionalização. Em primeiro lugar, os temas ideológicos, “e sobre isso, cada um vota de acordo com a sua ideologia e eu não tenho poder de voto no Parlamento”, referiu.

E, em segundo lugar, “os temas mais objetivos”, nomeadamente o encerramento de lojas e o da qualidade do serviço. Sobre as lojas, Lacerda salientou que os CTT estão preocupados com as pessoas. “Nós não estamos a abandonar as populações, muito pelo contrário”. Por outro lado, sobre a qualidade do serviço, o presidente dos CTT afirmou que não existe nenhum problema.

“Nós não temos um problema gravíssimo de qualidade de serviço, nem ao nível do tempo de atendimento em loja, nem na distribuição do correio”, disse. “De acordo com os nossos indicadores, tanto um tema como outro mostram uma evolução positiva”, acrescentou.

“Em primeiro lugar, os grandes pressupostos não se aplicam e, em segundo, eu não considero que seja a propriedade de ser público ou privado que resolve ou não resolve estes assuntos“, afirmou, acrescentando que o que resolve estes assuntos é, sim, “cumprir ou não cumprir o contrato de serviço público através da concessão que existe”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lacerda não faz futurologia, mas espera que “a maioria do Parlamento vote contra” a nacionalização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião