EY na primeira audição na comissão de inquérito à Caixa. Seguem-se Carlos Costa e Vítor Constâncio

Audições da comissão de inquérito da CGD arrancam no dia 12 de março, com a auditora EY. Seguem-se Carlos Costa e Vítor Constâncio nos dias seguintes.

A auditora EY, responsável pela auditoria aos atos de gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2000 e 2015, vai ser a primeira entidade que os deputados vão ouvir na comissão parlamentar de inquérito ao banco público, com a audição a decorrer já no próximo dia 12 de março.

Depois da auditora seguir-se-ão as audições a Carlos Costa e Vítor Constâncio, atual e anterior governador do Banco de Portugal, a 13 e 14 de março, respetivamente, adiantou o presidente da comissão, o deputado social-democrata Luís Leite Ramos, frisando que estas datas dependem do recebimento dos documentos pedidos pelos deputados.

A comissão parlamentar de inquérito à CGD reuniu-se esta terça-feira, pela primeira vez, para definir a calendarização dos trabalhos, assim como a documentação a pedir e os nomes a ouvir. Para já, houve consenso dos grupos parlamentares em relação apenas a estes três nomes a serem ouvidos, mas a lista final ainda está longe de estar consensualizada.

Para já, os vários partidos estão a apresentar várias personalidades e entidades que querem questionar no âmbito daquela que é a terceira comissão parlamentar de inquérito ao banco do Estado.

De José Sócrates a Tomás Correia

Há nomes que são comuns a pelo menos PSD, Bloco de Esquerda e PCP, nomeadamente os antigos presidentes da CGD António de Sousa, Vítor Martins, Carlos Santos Ferreira, Faria de Oliveira e José de Matos e o atual Paulo Macedo e os ex-ministros das Finanças Luís Campos e Cunha, Teixeira dos Santos e Vítor Gaspar. Também Maria Luís Albuquerque é requerida por Bloco e PCP.

Ainda entre antigos responsáveis do banco que os deputados querem ouvir estão Francisco Bandeira, Almerindo Marques, Celeste Cardona, Norberto Rosa, Armando Vara, Rodolfo Lavrador, Jorge Tomé, Nuno Fernandes Thomaz, Jorge Cardoso, Tomás Correia, Sérgio Monteiro e Mira Amaral, entre outros.

No que toca a responsáveis políticos, o Bloco pretende ouvir José Sócrates e ainda Manuel Pinho, para lá dos antigos ministros das Finanças já referidos. Já o PCP tem na sua lista António Bagão Félix (antigo ministro das Finanças) e os antigos secretários de Estado do Tesouro Francisco Esteves de Carvalho, Luís Morais Leitão, Carlos Costa Pina e Manuel Luís Rodrigues.

Por outro lado, sociais-democratas e bloquistas querem ouvir alguns dos grandes devedores do banco: Joe Berardo (Metalgest e Fundação Berardo), Matos Gil (La Seda), Manuel Fino (Investifino), Diogo Gaspar Ferreira (Vale do Lobo) e Joaquim Barroca (Lena). O Bloco de Esquerda acrescenta os nomes de Rui Horta e Costa e de Luís Horta e Costa, ambos ligados ao projeto de Vale do Lobo.

No total, o PSD quer ouvir 33 personalidades, enquanto o Bloco pretende levar à comissão 34 personalidades e o PCP 28, embora muitos nomes sejam comuns aos três partidos e cujas listas vão ser cruzadas com as do PS e CDS na reunião desta quarta-feira.

(Notícia atualizada às 20h04)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EY na primeira audição na comissão de inquérito à Caixa. Seguem-se Carlos Costa e Vítor Constâncio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião