“Os pobres fizeram-se para a gente os transformar em classe média”, diz Soares dos Santos

  • ECO
  • 26 Fevereiro 2019

Aos 85 anos, o ex-administrador da Jerónimo Martins recorda os anos como empresário e as dificuldades que as empresas atravessam em Portugal.

A chave para o sucesso é “ter um sentido para onde se quer ir”, afirma Alexandre Soares dos Santos, em entrevista ao Observador. Aos 85 anos, o ex-administrador da Jerónimo Martins recorda as dificuldades que encontrou quando assumiu esta cadeira. Mostra-se preocupado com o desemprego e defende oportunidades para todos. Diz que os pobres “fizeram-se para a gente os transformar em classe média” e que as empresas devem dividir os lucros com os acionistas e com os trabalhadores.

Em 1968, Soares dos Santos assumiu as rédeas da Jerónimo Martins, na altura com 300 funcionários. “Ao chegar (…) deparei-me com uma empresa que era o maior armazenista do país na época, mas com todo o mundo envelhecido. Porque o meu avô só dava emprego a quem tirasse um curso”, recorda o empresário. E foi nesse momento que, explicou, foi preciso “lutar para mudar” e transformar a retalhista numa “empresa moderna”. Hoje, são 110 mil os funcionários. “Como é que consegui isso? Trabalhando…”, afirmou. “É preciso trabalhar bem e ter um sentido de missão e ter um sentido de para onde se quer ir”.

Os próximos planos para a Jerónimo Martins passam pela reconstrução de uma fábrica de leite em Portalegre. O número de pessoas que ia para o desemprego com o encerramento desta unidade levou Soares dos Santos a decidir reconstrui-la. “E reconstruímos a fábrica, completamente nova. Por uma razão de emprego. Custa-nos ver pessoas no desemprego. Em Portalegre, se fecha uma fábrica, arrumou… Não há mais hipótese para aquela gente”, disse. Um processo que passou por várias dificuldades, “mas isso tem-se em Portugal em qualquer sítio e em qualquer coisa”.

“Muitas vezes temos de vir cá para baixo, falar com os fulanos de baixo, para ver se fazem encaminhar para cima”, disse, referindo-se a “tantas dificuldades e tantos atrasos” que o país atravessa em termos de autorizações. “Deveríamos ter associações muito fortes que depois lutassem. Mas os empresários não querem, porque muitos — infelizmente — dependem do Estado para financiamento ou para outras coisas”. Para o empresário, o país vive numa ditadura, “porque somos obrigados, para tudo, a ir ao Governo pedir uma licença”.

Lucros para os acionistas e para os trabalhadores

Soares dos Santos diz-se “cristão, não tanto católico”. “Não tenho nada a ver com os pobres, os pobres fizeram-se para a gente os transformar em classe média e depois subirem se possível”, continuou, afirmando que é para isso que se luta. Mas não uma luta de olhar para o pobre como um “coitadinho” que tem de ser ajudado, “porque isso é ajudá-lo a ser pobre”.

É preciso que as empresas que fazem lucros os dividam com os seus acionistas e também com os trabalhadores. “Estou farto de propor — farto! — a diferentes primeiros-ministros e ministros das Finanças que criem leis que me permitam distribuir dividendos a quem trabalha e não posso. O nosso sistema é estúpido”.

Nas suas palavras, os governantes acham interessante esta ideia de partilhar os lucros com os trabalhadores, mas não a põem em prática. “Talvez por isso o meu grande problema nos anos das eleições é se vou votar ou não”, disse.

Questionado se houve algum primeiro-ministro que o tenha impressionado, Soares dos Santos respondeu: “Tinha admiração pelo Mário Soares. O engenheiro Guterres era um homem inteligente, mas não foi feito para liderar o Governo. Um tipo interessante que me deixou boa impressão por um lado, como homem honesto e com vontade, foi o Passos Coelho, mas que não ouvia. Não sabia ouvir. (…) E o António Costa, até hoje não sei quem ele é”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Os pobres fizeram-se para a gente os transformar em classe média”, diz Soares dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião