Trabalhadores dos impostos desmarcam greve. Governo aceitou negociar carreiras

  • Lusa
  • 26 Fevereiro 2019

O STI reclama a revisão das carreiras, bem como a recuperação do vínculo por nomeação e a atribuição do estatuto de órgão de polícia criminal. Reunião com Governo a 7 de março.

O Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI) decidiu esta terça-feira desconvocar a greve e a concentração que tinha marcado para quinta-feira pelo facto de o Governo se ter disponibilizado a negociar a revisão das carreiras.

Esta estrutura recebeu ontem [na segunda-feira] o documento com a proposta inicial do Governo para negociação do diploma de carreiras da Autoridade Tributária e Aduaneira [AT], acompanhada de convocatória para uma reunião com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais em 7 de março”, refere uma nota emitida pelo STI.

O sindicato acrescentando que “este passo dado pelo Governo levou a que desconvocasse e greve e a concentração”, que estava marcada para quinta-feira.

O STI precisa ainda estar disponível para negociar, mas sublinha que a proposta enviada pelo Governo “está muito aquém daquilo que são as expectativas” dos trabalhadores da AT.

“Embora a proposta apresentada seja a base do processo negocial, após uma primeira análise a mesma está muito aquém daquilo que são as justas e legítimas expectativas dos trabalhadores da AT”, refere a mesma nota.

Além do pré-aviso de greve para quinta-feira, o STI marcou uma paralisação para o último dia útil de março (29) e greve às horas extra durante todo o mês de março.

O STI reclama a revisão das carreiras, bem como a recuperação do vínculo por nomeação (retirado no tempo do governo de José Sócrates) e a atribuição do estatuto de órgão de polícia criminal.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores dos impostos desmarcam greve. Governo aceitou negociar carreiras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião