Lisboa vai ter mil novas vagas em creches até 2021

A Câmara de Lisboa planeia criar até ao final de 2021 mil novas vagas em creches, quer através da reabilitação de estabelecimentos já abertos quer através da construção de novos equipamentos.

A Câmara Municipal de Lisboa planeia criar mil novos lugares em creches até 2021. De acordo com a autarquia, as vagas serão disponibilizadas à “medida que forem terminando as empreitadas” de criação das creches. “Algumas empreitadas serão de reabilitação, como é o caso do Bairro Santos e do Jardim da Estrela, e outras serão de construção nova”, explica a Câmara ao ECO. Medida estava prevista no acordo entre PS e Bloco de Esquerda para a formação do executivo camarário.

Até 2021, serão assim criados 1.049 novos lugares em creches, que terão a seguinte distribuição: 126 no Areeiro, 40 nas Avenidas Novas, 126 no Beato, 84 em Benfica, 42 em Carnide, 43 na Estrela, 84 no Lumiar, 168 nos Olivais, 168 no Parque das Nações, 84 em São Domingos de Benfica e 84 em São Vicente.

No total, estão em causa 18 equipamentos distribuídos por 11 freguesias. A Câmara de Lisboa nota, contudo, que poderá ainda haver lugar a acertos no número de lugares, após a aprovação da Segurança Social.

A distribuição das novas creches por freguesia

Fonte: CML

Atualmente, já está em obras uma creche nos Olivais, estando outras seis na fase de concurso. A disponibilização das vagas acontecerá à medida que as intervenções de reabilitação e os trabalhos de construção nova forem sendo concluídos.

A um prazo mais alargado, isto é, até 2029, está prevista a criação de 2.476 novos lugares em creches. Destes, 2.433 resultam da criação de novos estabelecimentos deste tipo. “Na segunda fase, entre 2021 e 2029, está prevista a criação de 25 creches (1.550 lugares), sendo 22 creches novas (1.385 novos lugares) e três creches para substituição de equipamentos existentes, cujas instalações deverão ser abandonadas, de que resulta também um aumento de capacidade de 43 lugares”, adianta o município.

“A fixação de jovens na cidade depende da oferta de trabalho e da habitação, que está em crise, mas não só. Queremos garantir serviços públicos como as creches a longo prazo para dar segurança a quem quer viver em Lisboa”, sublinhou o vereador Manuel Grilo.

O acordo assinado entre o PS e o Bloco de Esquerda previa a criação de mais de mil vagas para as creches, mas o prazo para a sua aprovação está ultrapassado. O documento prevê um “plano de conceção e construção de novas creches, com abertura de pelo menos 1000 novas vagas (objetivo a eventualmente ampliar no final do 2º ano de mandato). A Câmara Municipal de Lisboa incentivará a criação de cooperativas e outro tipo de associações sem fins lucrativos para a gestão de novas creches. O plano deve ser elaborado e aprovado até ao final do primeiro semestre de 2018“.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa vai ter mil novas vagas em creches até 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião