Infraspeak na final do Rising Startup Spain. Chega a Espanha e vai recrutar

A startup portuguesa Infraspeak está entre os 15 finalistas do programa Rising Startup Spain. Depois de Portugal, Brasil e Reino Unido, vai aterrar em Espanha onde já está a recrutar.

A Infraspeak, startup fundada por dois portuenses, prepara-se para expandir horizontes. Está entre as 15 finalistas do Rising Startup Spain e com uma ronda de investimento de 1,6 milhões de euros a ajudar, vai passar a estar presente também no país vizinho. É em Espanha que está a ultimar preparativos para a abertura de novos escritórios, para onde vai recrutar talentos. Em aberto está já uma vaga para country manager em Espanha.

Foi uma das 15 selecionadas para o programa governamental Rising Startup Spain, cujo objetivo é oferecer às startups internacionais condições para se estabelecerem e crescerem em Espanha. Os prémios deste concurso, organizado pelo Instituto Espanhol de Comércio Exterior (ICEX), e que recebeu mais de 400 candidaturas, incluem espaços de trabalho, dez mil euros para cobrir despesas iniciais, visibilidade nos media e mentoria e outros benefícios.

Luis Martins e Felipe Avila Da Costa, InfraspeakD.R.

E é com esta ajuda que, juntamente com o recente investimento de 1,6 milhões recebido de investidores europeus, que a Infraspeak — já presente em Portugal, Brasil, Reino Unido e alguns PALOP –, vai abrir portas em Barcelona. Com esta expansão, a startup nacional que desenvolveu uma plataforma de gestão de manutenção vai precisar de recrutar talentos para ocupar as cadeiras dos novos escritórios no país vizinho.

E o processo de recrutamento já está em aberto: atualmente há uma vaga para country manager para Espanha, mas os fundadores vão ainda recrutar para as áreas de vendas e de marketing, oportunidades que poderão ser consultadas aqui. Para os escritórios do Porto há atualmente oito vagas em aberto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Infraspeak na final do Rising Startup Spain. Chega a Espanha e vai recrutar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião