Valor do salário mínimo “é uma indignidade”, diz fundador da Critical Software

  • Lusa
  • 1 Março 2019

O cofundador da Critical Software, Gonçalo Quadros, critica o valor salário mínimo, que caracteriza como uma indignidade. Aponta também o dedo à diferença salarial "brutal" dentro das empresas.

O valor do salário mínimo em Portugal “é uma indignidade”, criticou esta sexta-feira, em Coimbra, o cofundador da Critical Software, Gonçalo Quadros, que também considera indigna a diferença salarial “brutal” dentro das empresas.

“Não precisamos de empresas que baseiam o seu modelo de negócios no salário mínimo. O valor do salário mínimo em Portugal é uma indignidade. É impossível viver com dignidade, educar filhos, se se receber o salário mínimo. As empresas têm a obrigação de lutar contra essa indignidade”, defendeu o cofundador e diretor executivo da tecnológica Critical Software, durante a sua intervenção após receber o Prémio Universidade de Coimbra 2019.

Num discurso que tinha como tema “As empresas e o futuro”, Gonçalo Quadros considerou que a sociedade não precisa “de empresas no sentido mais ortodoxo do termo e sublinhou que “as empresas de futuro e com futuro” têm de ir muito além do lucro e afirmarem-se como empresas cidadãs.

Nesse sentido, para além do valor do salário, o Prémio Universidade de Coimbra 2019 criticou também situações de empresas em que o salário mais elevado “é 100, 500, mais de 1.000 vezes do que o salário mais baixo”. “Que sentido de justiça pode existir dentro da empresa? Que poderes mágicos, fantásticos, podem justificar uma diferença tão brutal? Nenhuns, diria”, asseverou, classificando também de “indignidade” essa desigualdade dentro das empresas.

O diretor executivo da tecnológica sediada em Coimbra notou que emerge agora uma tendência para que “o ordenado mais baixo e o ordenado mais alto numa qualquer empresa não ultrapasse o valor 10“, salientando que na Critical Software foi assumido esse compromisso, esperando que essa tendência, com “uma adesão tímida, crie raízes”, para se construir um mundo mais justo e equitativo.

Para além desses dois pontos, Gonçalo Quadros disse que as empresas de e com futuro devem conseguir criar uma organização plana, muito pouco hierarquizada, devem investir nas energias renováveis, na completa abolição do plástico e em práticas de reutilização e reciclagem, devem ter um compromisso com a ética e lutarem pela diversidade – neste ponto, notou, Coimbra é “uma sociedade essencialmente monocromática”.

Durante o discurso, proferido na Sala dos Capelos, o cofundador da Critical Software criticou ainda o centralismo do país. “O nosso país é fortemente assimétrico. Eu diria que é vergonhosamente centrado em Lisboa. Lisboa é um buraco negro. Tem atraído tudo e mais alguma coisa, o que tem ajudado a que uma espécie de deserto prospere numa parte importante do país”, alertou, considerando “dramática” a concentração de pessoas na área da Grande Lisboa, enquanto outras cidades deixam de “ter as condições mínimas para interverter este ciclo”.

O diretor executivo da Critical Software deixou também um alerta para a endogamia académica – fenómeno que, de acordo com um relatório de 2017, está muito presente na Universidade de Coimbra, a instituição nacional com indicadores mais elevados de imobilidade, com 80% dos seus docentes de carreira doutorados na própria instituição.

“O ‘inbreeding’ é um inimigo tão brutal das universidades. Ele limita seriamente a capacidade de escolher de facto os melhores (e limita também a diversidade na organização, um aspeto também muito relevante). O esforço que a nossa Universidade possa fazer para combater o ‘inbreeding’ e para atrair figuras de proa nas suas diferentes áreas científicas é absolutamente decisivo. A nossa Universidade não tem futuro, se o não fizer”, disse Gonçalo Quadros.

A Critical Software nasceu em 1998, em Coimbra, sendo uma empresa especializada em serviços para o suporte de sistemas críticos orientados à segurança e ao negócio das empresas, que tem trabalhado em setores como o automóvel, a aeronáutica, o espaço ou a defesa.

Comentários ({{ total }})

Valor do salário mínimo “é uma indignidade”, diz fundador da Critical Software

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião