PSD chama Centeno ao Parlamento por causa de injeção de mais 1.149 milhões no Novo Banco

  • Lusa e ECO
  • 1 Março 2019

"Dinheiros públicos estão a ser mobilizados para o Novo Banco. E face a esta informação, só há uma ação: chamar o ministro das Finanças ao Parlamento", disse o deputado Duarte Pacheco.

O PSD vai chamar o ministro das Finanças ao Parlamento, no âmbito de uma eventual injeção de mais 1.100 milhões de euros no Novo Banco por parte do Fundo de Resolução, disse esta sexta-feira o deputado Duarte Pacheco.

“Dinheiros públicos estão a ser mobilizados para o Novo Banco. E face a esta informação, só há uma ação: chamar o ministro das Finanças ao Parlamento, à comissão de Orçamento, para dar explicações com caráter de urgência“, disse Duarte Pacheco, em declarações aos jornalistas à margem das jornadas parlamentares do PSD, que decorreram no Porto. Declarações essas proferidas antes de o Novo Banco confirmar que vai pedir 1.149 milhões ao Fundo de Resolução.

O deputado social-democrata recordou que “o Estado ficou com 25% [do Novo Banco], mas quem vai injetar mais 1.100 milhões de euros é novamente o Estado”, algo que considera “incompreensível” e que “não pode passar sem uma explicação cabal”. De acordo com uma notícia avançada esta sexta-feira pelo Jornal Económico, o Fundo de Resolução terá de injetar cerca de 1.150 milhões de euros no Novo Banco.

Duarte Pacheco argumenta que foi afirmado pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, aquando da alienação do Novo Banco ao fundo Lone Star, que “houve uma garantia de que não entravam dinheiros públicos e que aquilo que estava previsto no contrato era um pró-forma”. “Porventura, o senhor ministro das Finanças poderia estar convencido, mas significa que não tinha a consciência da realidade e, por isso mesmo, causou e está a causar um problema ao país, de credibilidade, e às contas públicas“, prosseguiu.

Duarte Pacheco disse ainda que “não pode haver notícias de que não existe dinheiro público para responder a reivindicações de determinados setores profissionais, mas simultaneamente o Estado disponibilizar mais 1.100 milhões de euros para o Novo Banco por responsabilidade exclusiva do Governo socialista que procedeu à alienação do mesmo”.

Na quinta-feira, questionado sobre a possibilidade de uma injeção de mil milhões de euros no Novo Banco, através do Fundo de Resolução, poder pôr em causa a meta do défice de 0,2%, Mário Centeno referiu que o executivo “vai seguir todos os desenvolvimentos da área com atenção”, notando que “as conquistas muito significativas para todos os portugueses” que foram alcançadas não podem ser colocadas em risco. O Fundo de Resolução é uma entidade da esfera pública gerida pelo Banco de Portugal, comparticipada pelos outros bancos, e detém 25% do Novo Banco.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD chama Centeno ao Parlamento por causa de injeção de mais 1.149 milhões no Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião