Deutsche Bank e Commerzbank retomam negociações sobre fusão

Fontes próximas do processo garantem à revista Focus que os diretores executivos do Deutsche Bank e do Commerzbank retomaram as negociações de fusão dos dois bancos.

As negociações sobre a eventual fusão dos dois maiores bancos alemães — o Deutsche Bank e o Commerzbank — foram retomadas, segundo avança a Bloomberg, esta sexta-feira, citando a revista germânica Focus. Fontes próximas do processo revelaram que os diretores executivos das instituições receberam mandatos oficiais dos conselhos de administração e supervisão para discutir essa fusão. No entanto, duas fontes ouvidas pela Reuters garantem que não existe mandato oficial.

A hipótese em causa surgiu no ano passado com a queda das ações do Deutsche Bank e tem sido mesmo defendida pelo ministro alemão das Finanças, Olaf Scholz, como forma de constituir um “campeão nacional” que serviria de “espinha dorsal” das exportações da Alemanha.

Em setembro, o diretor executivo do Deutsche Bank, Christian Sewing, salientou que estaria aberto a uma eventual fusão, apenas se tal fomentasse a rentabilidade do banco nos 18 meses seguintes. Em janeiro, a Bloomberg acrescentou, por outro lado, que a decisão sobre essa fusão dependeria dos resultados do primeiro trimestre de 2019 do Deutsche Bank.

Quase oito meses depois dessas declarações do CEO do Deutsche Bank, fontes próximas do processo garantem que, nos último dias, Sewing tem estado em negociações intensas com o diretor executivo do Commerzbank, Martin Zielke. Isto depois de ambos terem recibos mandatos oficiais dos conselhos de administração e supervisão para discutir essa possibilidade.

Fontes ouvidas pela Reuters contrariam, contudo, esse anúncio, defendendo que não há qualquer mandato oficial a suportar tais conversações.

Comentários ({{ total }})

Deutsche Bank e Commerzbank retomam negociações sobre fusão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião