Empresas comprometem-se a reduzir plásticos. Coca-Cola produz três milhões de toneladas por ano

O projeto liderado pela Fundação Ellen MacArthur conta com a assinatura de várias empresas, algumas das quais revelaram quanto plástico produzem. O setor alimentar tem os maiores volumes.

São já várias as empresas que decidiram assumir o compromisso de reduzir a utilização de plástico de utilização única. A Fundação Ellen MacArthur encabeça uma iniciativa global para definir objetivos nesta área, e desafiou as marcas que decidiram subscrever a revelar quanto plástico produzem por ano. A Coca-Cola foi uma delas, e o valor ascende a três milhões de toneladas anuais.

Os dados apresentados pela empresa norte-americana são referentes a 2017, e, se fizermos as contas considerando garrafas de 500 mililitros, são equivalentes a cerca de 108 mil milhões de garrafas por ano, escreve o The Guardian (acesso livre, conteúdo em inglês). A Coca-Cola comprometeu-se a que metade de todas as embalagens fosse de material reciclado até 2030.

A Nestlé também foi um dos grupos que aderiu ao projeto que adiantou quanto plástico utilizava. Foram 1,7 milhões de toneladas de embalagens de plástico, distribuídas pelas várias marcas incluídas na Nestlé, desde chocolates como o Kit Kat, a produtos de café como a Nescafé ou a Dolce Gusto.

De acordo com um estudo de um movimento ambientalista, que usou mais de dez mil voluntários para examinar lixo de 42 países, a Coca-Cola, a Pepsi e a Nestlé são das que mais contribuem para a contaminação dos oceanos com plástico. A maioria dos pedaços de plástico recolhido, mais de 187 mil, eram embalagens de produtos destas empresas.

O setor alimentar destaca-se entre as empresas que revelam o plástico que usam, sendo uma área que continua a recorrer a este material para embalar a comida. A Danone, conhecida pelos diferentes tipos de iogurtes, apontou para que o plástico utilizado nas embalagens chegue aproximadamente às 750.000 toneladas.

Para a gigante Unilever, que tem uma grande variedade de marcas, por exemplo de produtos domésticos, como o Skip ou o Cif, de alimentação, como a Calvé, ou até de higiene pessoal, como o Axe, o valor indicado é de 610.000 toneladas. Várias marcas do grupo já anunciaram medidas para substituir o plástico.

No setor têxtil, a Inditex deu a conhecer valores referentes a 2017, que chegavam às 690 toneladas. O grupo espanhol que detém marcas como a Zara e a Pull and Bear, definiu como objetivo eliminar o plástico de uso único utilizado para proteger as caixas de cartão onde são enviadas as encomendas online, bem como substituir os sacos de plástico dados aos clientes nas lojas.

O projeto liderado pela Fundação Ellen MacArthur, em colaboração com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, contou também com a assinatura do Continente. Este foi a primeira retalhista português a aderir à iniciativa, segundo adiantam em comunicado. O Ministério do Ambiente e Transição Energética de Portugal também é um dos assinantes, bem como os governos de França, Reino Unido e Chile.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas comprometem-se a reduzir plásticos. Coca-Cola produz três milhões de toneladas por ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião