Theresa May vai pedir à União Europeia “curto adiamento” do Brexit

A primeira-ministra britânica deverá enviar, ainda esta quarta-feira, um pedido formal de adiamento do Brexit. Esse adiamento deverá ser por apenas três meses.

A primeira-ministra britânica deverá, ainda esta quarta-feira, pedir formalmente a extensão do Artigo 50.º, que dita o adiamento do Brexit. Theresa May estará à procura apenas de “um curto adiamento”, uma margem três meses, para poder renegociar a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Downing Street confirmou esta manhã que a primeira-ministra britânica não está à procura de um longo adiamento, sobretudo perante as ameaças dos eurocéticos de que podem deixar o cargo caso o Brexit seja adiado indefinidamente, avança o Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês). A concretizar-se o adiamento, o Brexit volta a estar nos calendários uns meses depois, em junho.

Ainda hoje, a primeira-ministra Theresa May vai enviar uma carta ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, com o objetivo de fazer um pedido formal do adiamento do processo de saída do Reino Unido da UE. A decisão do curto adiamento, que poderá ser até ao dia 30 de junho, afasta, assim, o risco de uma rebelião dos ministros eurocéticos. De acordo com o Financial Times, em Bruxelas, chegou-se a falar num adiamento que ultrapassava os nove meses.

Michael Barnier, negociador-chefe para a saída do Reino Unido da UE, já tinha feito um aviso a May: o atraso do prazo definido para o Brexit (29 de março) teria de ser justificado com um “plano concreto” para acabar com o impasse. Já Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, afirma que será muito difícil tomar uma decisão sobre o Brexit ainda esta semana.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Theresa May vai pedir à União Europeia “curto adiamento” do Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião