Utentes querem mais transportes públicos em todo o país

  • Lusa
  • 20 Março 2019

Redução do tarifário é um passo positivo, mas é importante que seja alargado a todo país, dizem os utentes. Pedem também mais transportes públicos em todo o território nacional.

O Movimento de Utentes dos Serviços Públicos (MUSP) defende o reforço da oferta de transportes públicos em todo o território nacional e o alargamento a todo o país do passe intermodal único.

“O MUSP considera que as medidas assumidas no Orçamento do Estado para 2019 visando a redução do tarifário são um passo positivo que importa alargar a todo país, nomeadamente criando um passe para cada uma das comunidades intermunicipais (CIM) com um valor que não ultrapasse os 40 euros e cubra todos os operadores que intervêm nessas regiões”, sustentou o movimento em comunicado.

Saudando a “criação do passe intermodal único nas áreas metropolitanas” de Lisboa e do Porto, uma medida que classificou como “uma vitória de todos aqueles que lutaram pelo seu direito à mobilidade ao longo das últimas décadas”, o MUSP exigiu “um reforço de verbas” para que o Programa de Apoio à Redução do Tarifário nos Transportes Públicos possa estender-se a todo o país, “de modo a que todos os utentes de transportes públicos usufruam das mesmas condições, independentemente do local em que residam, estudem ou trabalhem”.

Para o movimento, “nenhum título de transporte mensal para circular na mesma área metropolitana ou na mesma CIM deve ter um custo superior a 40 euros [e] nenhuma família deve pagar mais de 80 euros por mês para aceder aos transportes públicos da sua zona”.

Por considerar que “as diferentes velocidades e alcance na implementação deste Programa de Apoio à Redução Tarifária frustram as expetativas criadas nos utentes e populações”, o MUSP “reclama o reforço de verbas neste programa para a efetiva concretização destas medidas em todo o território nacional”.

Além disso, o movimento exige mais e melhores transportes públicos, insistindo em que “é imperioso o reforço do investimento em novo material circulante, na manutenção do que está atualmente ao serviço e na modernização da frota e reforço do pessoal operacional”.

“Urge um sério reforço da oferta de transporte público em todos os modos de transporte”, lê-se no comunicado.

“Os utentes e as suas comissões alcançaram uma grande vitória com a criação do passe único, mas vão continuar a levantar a sua voz na exigência de um transporte público com qualidade (fiável, frequente, seguro e confortável) em todo o território nacional”, sublinha o MUSP.

Na segunda-feira, dia em que o Governo e os presidentes dos municípios da Área Metropolitana de Lisboa (AML) assinaram na capital os contratos para a entrada em vigor, em abril, de um passe único nos 18 concelhos da AML, que custará no máximo 40 euros, o primeiro-ministro, António Costa, frisou que a redução dos preços dos transportes é um programa nacional e vai beneficiar, a partir de 01 de abril, 85% dos portugueses.

“Ao contrário do que muitas vezes tenho ouvido dizer, não é verdade que esta oportunidade de redução tarifária seja exclusiva de Lisboa ou do Porto, nem sequer destas áreas metropolitanas: este programa é um programa nacional, ao qual, felizmente, aderiram todas as 23 comunidades intermunicipais”, salientou António Costa, no encerramento da cerimónia de assinatura dos novos preços dos transportes públicos na AML.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Utentes querem mais transportes públicos em todo o país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião