Dispersão da Sonae MC vai “estar sempre em cima da mesa”, diz Ângelo Paupério

Gestão da Sonae não comenta rumores sobre interesse do grupo na Dia, mas co-CEO diz que Sonae está sempre atenta. Mas lembra: "A nossa estratégia não se baseia em crescimento por aquisições".

A dispersão em bolsa de parte do capital da Sonae MC, empresa de retalho líder em Portugal, é um cenário que o grupo Sonae vai manter “sempre em cima da mesa”, apontou Ângelo Paupério, co-CEO da Sonae, na apresentação dos resultados anuais da empresa, esta quinta-feira.

“A dispersão em bolsa [da Sonae MC] deve estar sempre em cima da mesa, este e todos os outros… há momentos e razões que podem levar a isso [relançar o IPO], mas não é exclusivo ou algo que esteja decidido e planeado para acontecer. O ativo Sonae MC está hoje melhor preparado para fazer parte de qualquer tipo de operação de mercado“, reforçou.

A dispersão do capital da Sonae MC foi cancelada pelo grupo empresarial pouco depois de o prospeto ter sido aprovado pela CMVM, com a empresa a justificar a decisão com a tensão nos mercados internacionais. “O projeto de IPO falhou, é verdade, mas a operação tinha vários objetivos, não apenas a colocação no mercado”, explicou o gestor. “Quisemos dotar a Sonae MC de um perímetro estanque, sem pessoas e colaboradores envolvidos em negócios cruzados, o que resulta em falta de foco. Fizemos uma profunda reestruturação que tinha como motivo assegurar o IPO, mas o objetivo de fundo era criar as condições para ter este novo perímetro e equipa.”

Um outro racional ligado à decisão de avançar para o IPO da MC, explicou também Paupério, esteve no próprio perfil de alguns investidores. “Há investidores que preferem ficar expostos a setores específicos da Sonae, que é uma holding, e que preferem investir em ramos particulares e não numa pluralidade de setores. Logo, uma das motivações do IPO era dar oportunidades aos investidores de investir num ramo específico, mas se são os próprios investidores a dizer que não querem, então resolve-se o problema e ficamos mais à vontade para continuar a nossa estratégia“, explicou.

Retalho a mexer

Ainda em relação ao segmento de retalho, também a entrada da Mercadona e a situação da Dia foram temas em foco na conferência de apresentação de resultados da Sonae que decorreu esta quinta-feira.

Mercadona é um operador competente como o Carrefour, Lidl, Aldi… Todos esses gigantes também nos vieram desafiar e soubemos lidar com eles e esperamos que continue assim

Paulo Azevedo

A entrada do grupo espanhol em Portugal, disse Paulo Azevedo, é algo para o qual a Sonae já está preparada. “Respeitamos muito todos os grandes players, mas estamos preparados e confiantes, porque temos muita experiência nestas lutas e nestes desafios. É um operador competente como o Carrefour, Lidl, Aldi… Todos esses gigantes também nos vieram desafiar e soubemos lidar com eles e esperamos que continue assim“, concluiu.

Já quanto a rumores que davam conta de um eventual interesse da Sonae na Dia, Ângelo Paupério lembrou que um grupo como a Sonae deve estar obrigatoriamente “sempre atenta ao mercado”, mas lembrou que a estratégia da empresa “não se baseia em crescimento por aquisições”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dispersão da Sonae MC vai “estar sempre em cima da mesa”, diz Ângelo Paupério

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião