Pedro Santos Guerreiro deixa cargo de diretor do Expresso. Ricardo Costa assume cargo de forma interina

Pedro Santos Guerreiro deixou de ser diretor do Expresso. A decisão surge depois de o jornalista Vítor Matos ter pedido a demissão de editor de política. Mantém-se colunista do jornal.

Pedro Santos Guerreiro deixou o cargo de diretor do Expresso, apurou o ECO. A saída surge depois de o jornalista Vítor Matos ter pedido a demissão de editor de política, após ter visto uma newsletter ser assinada com o seu nome, embora tenha sido escrita por outro jornalista, tal como tinha avançado o Público (acesso condicionado).

“O diretor-geral de Informação da Impresa, Ricardo Costa, vai assumir a direção do Expresso de forma interina. Esta mudança acontece na sequência da decisão tomada entre a administração do grupo Impresa e Pedro Santos Guerreiro, que deixa assim o cargo de diretor do Expresso“, confirmou o grupo em comunicado. O jornalista vai manter “uma ligação com o jornal, como colunista”, acrescenta a empresa.

“Agradecemos a Pedro Santos Guerreiro a sua lealdade, rasgo, combatividade e entrega ao Expresso e às suas causas e projetos, desde o Diário ao lançamento do saco de papel, e ainda a Tribuna e o 2:59. Agradecemos, em particular, o seu contributo para a digitalização do jornal e para o aumento da produtividade da redação, que continuarão o seu curso”, disse Francisco Pedro Balsemão, num email enviado internamente.

Pedro Santos Guerreiro era diretor do Expresso desde 2014 e esteve entre os fundadores do Jornal de Negócios, que dirigiu entre 2007 e 2013.

(Notícia atualizada às 12h49 com mais informações)

Comentários ({{ total }})

Pedro Santos Guerreiro deixa cargo de diretor do Expresso. Ricardo Costa assume cargo de forma interina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião