Receio sobre o crescimento económico cresce. Wall Street treme

Os três principais índices bolsistas dos EUA tiveram a pior sessão do ano, com os investidores a revelarem receios face ao rumo da economia global, perante dados desanimadores sobre a indústria.

O sell-off a que se assistiu no mercado acionista europeu estendeu-se às ações norte-americanas na última sessão da semana. Os três principais índices bolsistas dos EUA fecharam no vermelho, com perdas entre 1% e 2%, penalizados por dados fracos sobre as indústrias europeias e norte-americanas. Há o receio de que a economia global desacelere.

O S&P 500 perdeu 1,9%, para os 2.800,73 pontos, enquanto o Dow Jones deslizou 1,77%, para 25.502,66 pontos. Por sua vez, o Nasdaq caiu 2,5%, para 7.642,67 pontos. Para qualquer desses três índices tratou-se da pior sessão desde o início do ano (3 de janeiro).

Dados aquém do esperado sobre a atividade industrial dos EUA, em março, acompanhados por indicadores semelhantes na Europa, com a produção da Zona Euro a cair para o nível mais baixo desde abril de 2013, fizeram soar os alertas relativamente a um cenário de desaceleração económica global.

Tal refletiu-se numa inversão das yields da dívida dos EUA, com a taxa dos títulos a três meses a superar a yield das obrigações a dez anos. Também os juros da Alemanha a dez anos refletiram os receios dos investidores entrando em terreno negativo, o que já não acontecia desde outubro de 2016.

“É definitivamente um sinal de alerta”, disse Peter Kenny, fundador da Kenny’s Commentary, citado pela Reuters.

Dos 11 principais setores do S&P 500, apenas os defensivos, ou seja, que não são influenciados pelo ciclo económico, e os de bens de consumo escaparam ao vermelho.

A Nike afundou mais de 6% depois de reportar vendas na América do Norte aquém do esperado. Também a Boeing perdeu “altitude”: as suas ações recuaram quase 3%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receio sobre o crescimento económico cresce. Wall Street treme

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião