Pagamentos da União Europeia no Portugal 2020 são os mais baixos de sempre

Ritmo de recebimento do atual acordo de parceria está ligeiramente aquém do observado no anterior ciclo de apoio em igual fase do período de programação. E está também abaixo dos ciclos mais antigos.

O ritmo de pagamentos da Comissão Europeia a Portugal, no âmbito do Portugal 2020 nunca foi tão baixo, revela o Boletim Económico do Banco de Portugal. Tendo por referência os 31 mil milhões que Portugal tem para investir entre 2014 e 2020, até ao final de 2018, os beneficiários dos apoios comunitários receberam 40% desse montante, revela a instituição liderada por Carlos Costa, numa análise comparada de todos os quadros comunitários de que Portugal beneficiou, publicada esta quinta-feira.

O ritmo de recebimento do atual acordo de parceria está ligeiramente aquém do observado no anterior ciclo de apoio em igual fase do período de programação, estando também abaixo dos ciclos mais antigos“, refere o estudo que integra o Boletim Económico de março.

A compilação das estatísticas dos cinco períodos de programação revela que foi no QCA I que, nesta fase do ciclo, mais transferências foram feitas da União Europeia. No entanto, é de sublinhar que o QCA I e o QCA II foram mais curtos, com períodos de programação de cinco e seis anos, respetivamente, e não sete como nos anos seguintes. Ainda assim, existem depois mais dois ou três anos para prosseguir a execução das verbas (os chamados N+1, N+2 ou N+3).

Taxa de recebimento, por ciclo de apoios europeus

Valores em percentagem. As projeções encontram-se a tracejado. Fonte: Agência para o Desenvolvimento e Coesão, Banco de Portugal, Boletim informativo QREN, Brochura “Fundos Estruturais 10 anos em Portugal” da Direção Geral do Desenvolvimento Regional, DGRM e IFAP/GPE.

É ainda de sublinhar que esta taxa de recebimento (de 40% em 2018) é diferente da taxa de execução (de 33% em 2018). A primeira refere-se às verbas transferidas pela Comissão Europeia, seja a título de adiantamento aos promotores dos diferentes projetos, seja pelo pagamento das faturas já validadas. Esta taxa “corresponde ao rácio entre o montante recebido pelos beneficiários finais em cada momento do tempo e o montante total recebido no período de programação”, explica o Banco de Portugal. Já a taxa de execução cinge-se às despesas pagas e validadas por Bruxelas e é o indicador utilizado para determinar o corte de fundos aos Estados-membros caso não utilizem os montantes de fundos previstos para cada ano (a chamada regra da guilhotina).

Este atraso na taxa de recebimento face aos anteriores períodos de programação não um exclusivo português. “A evidência de que a taxa de recebimento no atual acordo de parceria se encontra aquém do observado em ciclos anteriores não se verifica apenas em Portugal”, escreve o Banco de Portugal. “Considerando o mesmo período nos diferentes ciclos de apoio, a taxa de recebimento do atual acordo de parceria é a mais baixa, quer em Portugal, quer na maioria dos países europeus”, acrescenta.

E como se justifica este atraso? Porque foram implementadas no Portugal 2020 novas ferramentas de avaliação do desempenho dos projetos, na sequência da orientação de Bruxelas de que os apoios devem ser orientados para os resultados. Além disso a Comissão também tem promovido a orientação para o planeamento integrado o que “torna os processos de contratualização mais exigentes”, conclui o Banco de Portugal.

Portugal compara bem com os restantes países europeus no que diz respeito às transferências da UE. Este tem sido, aliás, um argumento esgrimido pelo Executivo sempre que é confrontado com a crítica da baixa execução do Portugal 2020 face ao quadro anterior (o QREN). Usando como termo de comparação os países que tem envelopes financeiros superiores a sete mil milhões de euros, Portugal apresenta a taxa de pagamentos mais elevada (28,7%) entre os Estados-membros. Mas se a comparação for feita entre todos, então, Portugal cai para a sexta posição, sublinha o Banco de Portugal.

Comparação internacional da taxa de recebimento no período de programação 2014-20

Fonte: Comissão Europeia. Valores em percentagem. A linha separa a média da UE. Os países estão ordenados por ordem decrescente do rácio entre a dotação prevista e o PIB de cada um dos países no período 2014-20

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pagamentos da União Europeia no Portugal 2020 são os mais baixos de sempre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião